quinta-feira, setembro 18, 2008

August Moon


Foto de Jure Kravanja aqui



Enquanto o verão não chega,
aconchega-te na fogueira do meu colo.
Vamos dançar luas de Agosto
pelas divisões da casa, pega na solidão
e atira-a janela fora contra o ar pesado
das ruas desertas, nubladas, chuvosas
deste nosso misterioso e insuportável
calendário. Aumenta o volume
e dança, põe a sombra dos objectos a dançar,
mete-te dentro da sombra dos objectos
e dança, dança sobre a luz artificial
que dá graça a todos os insectos
pouco mais do que dançantes.
Eu tenho luas de Agosto dentro de mim
no inverno jacente, não te quero
de sorrisos mortos e mãos vazias.
Mesmo gelado, de ossos quebrados,
exausto, eu quero-te a dançar com os braços
envoltos na fogueira do meu colo.




Juraan Vink


( Chamava-se Juran Vink e escrevia no extinto blogue Universos Desfeitos. Agora é Henrique Fialho e pode ler-se no Insónia )



.

18 Comments:

Blogger Sophiamar said...

"Enquanto o verão não chega,
aconchega-te na fogueira do meu colo.
Vamos dançar luas de Agosto
pelas divisões da casa, pega na solidão
e atira-a janela ..."

Que versos tão bonitos! Que bem me faz ler poesia deste tipo! Eu também quero ter luas de Agosto dentro de mim e afastar a solidão, tão daninha, para onde me remeto quando as nuvens não deixam que o luar, mesmo o de Inverno, chegue até mim.

Beijinhos mil, amiga! Essa encosta é mágica.

Bem hajas!

6:37 da manhã  
Blogger hfm said...

Só conhecia o pseudónimo mas sempre gostei dos seus poemas. Este é particularmente bom.

9:07 da manhã  
Blogger Vieira Calado said...

Vou ver.
Obrigado

1:00 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
belo poema,
grato,
irei conhece-lo,
,
conchinhas
,
*

9:34 da tarde  
Blogger FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida Ana, belíssimo texto... Vou seguir a tua sugestão!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

9:57 da tarde  
Blogger Marinha de Allegue said...

Farei o cominho que suxires.
Fermosos versos de verán...


Unha aperta Ana.
:)

12:49 da tarde  
Blogger Maripa said...

Que lindo poema...dá-me vontade de me aconchegar nesse colo.

Beijo carinhoso,querida.

12:24 da manhã  
Blogger Fernando Rozano said...

dos versos mais ricos que li. poema vigoroso e que entrelaça muitos sentidos. lindo, Ana. beijo e feliz fim de semana.

12:19 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Perdoa a ausência, mas ando numa fase de lagarta... :)
Um beijo
Daniel

8:03 da tarde  
Blogger Baby said...

Obrigada, Ana, pelo poema publicado,que achei líndissimo.

Vou seguir a tua sugestão e visitar o "Insónia".
Um beijo de agradecimento pela tua visita.

10:44 da tarde  
Blogger Voz do meu Coração said...

Bem que gostaria de ter um colinho para me aconchegar e aquecer, sobretudo que por aqui já quase parece inverno, obrigada por esse poema tão bonito.

3:22 da tarde  
Anonymous Dora Coimbra said...

Eu bem que ficaria por aqui pois sinto uma espécie de aconchego e de carinho sobretudo neste poema. Mil bjs

3:25 da tarde  
Blogger ~pi said...

arder nos ossos

nos mais... quebrados


( muito belo :)




~

3:49 da tarde  
Blogger em azul said...

Belíssimo... irei ver.
Obrigada

8:29 da tarde  
Blogger Ricardo Pulido Valente said...

poesia mt bem escolhida.

voltarei.

linkei o blogue no meu.

2:07 da manhã  
Blogger Xinha said...

Querida Ana,
é sempre uma delicia vir visitar esta encosta !!

Gostei da escolha. É muito bela.
Vou aproveitar e espreitar o blog!

Xi-coração

5:31 da tarde  
Blogger delusions said...

que vontade de dançar...

já conhecia, excelente escolha!


Bjinho*
SOfia

7:08 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

coreo

grafia

lunar

2:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home