sexta-feira, julho 20, 2007

Página 161



A Sonhadora passou-me o seguinte desafio:

Transcrever a 5ª frase da página 161 do livro que leio, ou daquele que estiver mais próximo.
Esta é a minha contribuição para esta cadeia, mas confesso que fiz batota :-) ... a página 161 é uma página em branco. Deixo ficar parte do que li na página 163 do livro "O medo", de Al Berto, edição da Assírio&Alvim.


teu corpo dilui-se nos ossos da página, contamina as cartilagens das sílabas
resta-me o fingimento sibilante das palavras
caminho pelo interior das dunas,
apago o rasto de tinta acetinada, sou terra num texto onde não encontro água
só noite e um rumor imperceptível do coração
mais nada



Deixo ao critério de quem passa na Encosta a continuação, ou não, deste desafio.

.

11 Comments:

Blogger A.S. said...

Querida Ana, estou de volta e deparo-me com um excerto de um texto do Al Berto que me desassossega...

Deixo-te o meu abraço!

3:39 da tarde  
Blogger sonhadora said...

Quando aquilo que se transcreve pertence a um grande poeta como Al Berto, a batota é desculpável.Gostei muito!

Deixo-te beijinhos embrulhados em abraços com cheiro de maresia.

11:43 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Os passos levam-me, não à fotografia de um lugar ou de um objecto conhecidos, mas a uma porta cujos interiores secretos me esperavam embrulhados na inclemência dos anos passados, na negaça do tempo.

in "Encontro de Amor num País em Guerra" de Luís Sepúlveda

Beijinhos
mARio

12:12 da manhã  
Anonymous Jo Afonso said...

" - Vês? - notou ela. - Eu disse-te que ias adaptar-te."

in O CASTELO DE VIDRO de Jeannette Walls.

Bem... transcrevi a 5ª frase da obra citada, mas "que será?!?" É que comecei agora a ler a obra e vou ainda na página 17...

Acrescento somente que a autora é uma brilhante, bonita e bem sucedida jornalista novaiorquina, da MSNBC, que resolveu divulgar, nesta sua obra, as suas raízes durante décadas escondidas da sociedade.

Este livro foi classificado como um dos 50 melhores livros publicados em 2005 nos Estados Unidos e foi editado em Portugal pela Gótica.

Deixo-te um beijo meu e, "para a posteridade" ( :-)), aqui fica o meu apreço pelo extremo bom gosto com que primas os teus visitantes, manifesto através da selecção que fazes dos textos e imagens, sempre em sintonia uns com os outros.

Que mais se podia esperar de ti, Ana?
Tu és o bom gosto refinado e personificado, és pura como a brisa que sopra nesta encosta, és límpida como as águas do Atlântico neste troço fabuloso da nossa costa, és simples, despretensiosa como as plantas dos teus vasos e tens a alma enorme de todos os Fernão Capelo que sobrevoam o teu ninho na tua encosta do mar (a geográfica) de onde voas com toda a sensibilidade, poesia e beleza para aqui, para esta "encosta do mar".

Amo-te com todo o meu amor fraterno, m(Ana),
JO

2:50 da manhã  
Blogger hfm said...

Penso que de Al Berto qq página serviria.

9:29 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

Desejo-te um bom domingo, antes de mais. Al Berto! Um dos meus poetas. Pena ter-nos deixado tão cedo. Fisicamente. Está bem vivo nos nossos corações e espíritos.
Deixei-te um desafio no meu blog.
Beijinhos nesta encosta linda e privilegiada.

5:08 da tarde  
Blogger A.S. said...

Ana... esta manhã encontrei o teu nome nos meus sonhos!

10:21 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

*
al berto
*

*
ji
*

10:22 da manhã  
Blogger sonhadora said...

As férias chegaram. Parto amanhã. Levo todos no coração. Os meus sonhos só foram possíveis porque acreditaram em mim e deixaram-me sonhar.Obrigada!
Lindo, este poema!
Deixo beijinhos embrulhados em abraços

5:44 da tarde  
Anonymous Marina said...

Lindo este seu blog. Parabéns!

A minha contribuição:

" Tinha, pois, de esperar mais uma semana, mas, ao menos aproveitou as despedidas do baile para ir fazendo pessoalmente os convites para o jantar aos que constavam da sua criteriosa lista. "

in EQUADOR de Miguel Sousa Tavares

3:12 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Havia também um certo número de pequenos blocos de notas perfeitamente quadrados com capas negras duras e brilhantes, cada um deles fechado por delicadas fitas de seda do mesmo azul com que ela costumava atrair o meu olhar fascinado em criança, por causa da semelhança com as tabletes de chocolate preto.

" O Sentido da Noite " - Cox, Michael

P.S. Leiam. É um excelente romance.

"Abrajinhos", @:)
Mira

11:18 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home