quinta-feira, junho 28, 2007

Creio nos anjos que andam pelo mundo


The tree of life (Gustav Klimt)



Creio nos anjos que andam pelo mundo,
creio na deusa com olhos de diamantes,
creio em amores lunares com piano ao fundo,
creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes;

creio num engenho que falta mais fecundo
de harmonizar as partes dissonantes,
creio que tudo é eterno num segundo,
creio num céu futuro que houve dantes,

creio nos deuses de um astral mais puro,
na flor humilde que se encosta ao muro,
creio na carne que enfeitiça o além,

creio no incrível, nas coisas assombrosas,
na ocupação do mundo pelas rosas,
creio que o amor tem asas de ouro. Amén.


Natália Correia


.

14 Comments:

Anonymous bomdiaisabel said...

Bom Dia, Ana!

Se querer é poder, crer é amar.
Este soneto, à semelhança do que costumas postar, é lindo.
O teu bom gosto, aliado à tua sensibilidade fazem deste blog um ponto de encontro de sentires e partilhas perpassados pela ternura, pelo amor, pela amizade.
Beijinhos na encosta com uma vista de mar que me fascina.

6:49 da manhã  
Blogger A.S. said...

Querida Ana... Ouvi dizer que anda aí na encosta um anjo bondoso, com umas grandes asas, qua acompanha todos os teus passos!!!

Deixo-te a ternura de um abraço!

4:55 da tarde  
Blogger cm said...

dizem que os anjos quando perdem as asas tornam-se crianças...eu tb acredito...

um abraço fraterno

8:25 da manhã  
Anonymous Charlie said...

Do teu Amén, Natalia,
eu faria, não o decreto final, mas antes a porta de entrada.
O Amor tem asas de ouro.
Voemos pois.
Voemos eternamente nem que a Eternidade não seja mais que um fraco Segundo.
Poderemos então sempre dizer
que seremos Eternos,
sempre que nos quisermos
na Eternidade,
os nossos Segundos derreter.

8:37 da manhã  
Blogger Isabel José António said...

Bom dia Amiga Ana,

É tão bonito este poema da Natália Correia... parabéns por o ter "postado".

Creio num segredo que está oculto
Uma espécie de energia primordial
Que tudo penetra e não tem vulto
Que tudo vivifica e é fundamental

Creio em ti, naquele outro, em mim
Porque todos temos algo no coração
Que nos faz optar por dizer SIM
Dissipa trevas e rompe a escuridão

Creio no poder de um claro sorriso
Símbolo da energia sempre positiva
Por vezes é tudo quanto preciso
Para a minha vida assim assertiva

E não fosse crente de coisa nenhuma
O que é impossível! Não existe Nada
Existe sempre esta grande VIDA UNA
Que nos presenteia com a alvorada

Espero que goste

Um abraço

José António

9:02 da manhã  
Blogger Isabel said...

Amén.
Excelente escolha dessa força que foi, e sempre será Natália Correia.
Até eu que não tenho um Deus desses com uma religião, e muitos fíeis, tenho um que eu criei, como no fundo todos os Deuses. Um Deus é sempre uma criação de quem nele crê. O meu de diferente tem apenas que só eu nele acredito, não tem templos, nem rezas, nem regras, nem imagem. Tem-me a mim e c'est tout. É um Deus pobrezinho o meu. O meu tem poesia em vez de rezas, tem amor em vez de sacrificios, tem prazer em vez de pecados... e para ele e para mim o amor tem asas feitas de petalas de rosas e um dia o mundo será ocupado por pássaros esvoaçando, cantando poemas e soltando rosas.

Adorei a tua visita e adorei passar aqui.

Um enorme abraço.

Isabel

1:16 da tarde  
Anonymous anne said...

Acreditar em alguma coisa acalma, é um salutar anestésico que fortalece a re-significação dos amores frustrados, dos desastrosos mal-entendidos, da sensação de finitude. Creio nos anjos sim, eles estão no meio de nós.Até acho que eles já me ajudaram muito.
Um Beijo, Ana.

8:20 da tarde  
Blogger sonhadora said...

Creio no sonho, creio no amor, creio na amizade.Visitar o teu blog é um privilégio para quem ama a poesia como eu.
Beijinhos embrulhados em abraços

12:00 da manhã  
Blogger Platero said...

Olá Ana

Esta encosta do mar está cada vez melhor, é um lugar calmo onde a beleza se encontra.

Que tudo corra bem contigo

Um abraço

12:42 da manhã  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Um belo credo da Natália, que em grande parte subescreveria...
Um beijo
Daniel

9:22 da tarde  
Blogger sonhadora said...

"Jamais perco o travo da palavra que a poesia guarda."

Maria Teresa Horta

Beijinhos embrulhados em abraços

10:55 da tarde  
Anonymous Saramar said...

Que coisa mais linda!
Eu me senti tão feliz lendo esse credo maravilhoso, no lado mais lindo do mundo, das pessoas, dos anjos.
Belíssimo.

beijos

9:44 da tarde  
Anonymous alicia said...

Olá, Ana!

Obrigada pela sua mensagem no correio de Platero!

Mais uma vez, entrei, atardei-me no poema, atardei-me na "Árvore da Vida" - outra das minhas fraquezas: a cor, o traço, a forma... Como música de fundo, Vivaldi, "Alla Rustica" e "L'Amoroso" - concertos leves, com os sons a fluírem na noite, entre alegres e suavemente nostálgicos, quase iresponsáveis, como convém no momento, a varrerem, com o poema da Natália e as cores do Klimt, o prosaísmo de um dia de trabalho rotineiro, que ainda não terminou.

Como Maria José Giglio, também eu "não sei escrever os sons". E sempre sinto pena de não saber escrever os sons. Gostaria de lhe enviar a música de fundo da minha leitura.Com um muito obrigada.

Como pegada no mar, o rasto breve da minha passagem de hoje.Com a certeza de que, com mais ou menos tempo, voltarei muitas vezes.Porque aqui me sinto bem.

Um abraço,
Alicia

1:46 da manhã  
Anonymous anne said...

Olá Ana, andaste por lá? Vim agradecer a tua presença no Retalhos DÁlma. Bjus.

12:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home