sexta-feira, julho 06, 2007

Amo o teu túmido candor de astro




Amo o teu túmido candor de astro
a tua pura integridade delicada
a tua permanente adolescência de segredo
a tua fragilidade acesa sempre altiva
Por ti eu sou a leve segurança de um peito
que pulsa e canta a sua chama
que se levanta e inclina ao teu hálito de pássaro
ou à chuva das tuas pétalas de prata
Se guardo algum tesouro não o prendo
porque quero oferecer-te a paz de um sonho aberto
que dure e flua nas tuas veias lentas
e seja um perfume ou um beijo um suspiro solar
Ofereço-te esta frágil flor esta pedra de chuva
para que sintas a verde frescura
de um pomar de brancas cortesias
porque é por ti que vivo é por ti que nasço
porque amo o ouro vivo do teu rosto






Desenho e poema de António Ramos Rosa



.

10 Comments:

Blogger Sophiamar said...

Hoje, ofereces-me mais uma flor, amiga. Mas esta flor é rara, delicada, tem um perfume especial. O meu querido António Ramos Rosa, algarvio como eu, farense, de quem me orgulho muito.Ler Ramos Rosa, seja onde for, enche-me o peito de um oxigénio único.
Amo a poesia e nunca me canso de reler tudo quanto aqui nos ofereces.
Obrigada flor rara como o poema.
Deixo beijinhos nesta encosta doce, com uma paisagem deslumbrante.
Bom fim de semana! Amanhece! O sol vem saudar-nos de trás dos montes e vai dourando as encostas.Como esta, onde escrevo com tanto gosto.

6:17 da manhã  
Blogger sonhadora said...

Desejo-te um domingo de sonho.
Beijinhos embrulhados em abraços

11:43 da tarde  
Blogger Fernando Palma said...

palavras muito sutis, de uma poesia imensa...

5:46 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Sonhos poéticos que nos preenchem...
Um beijo
Daniel

7:14 da tarde  
Blogger Kalinka said...

Amiga
gostei da poesia que escolheste.
Adorei:
...«Amo a tua permanente adolescência de segredo»...

Ai, quem me dera poder voltar à minha adolescência e, enveredar por outros caminhos que não este.

Beijos.

11:44 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

*
Se guardo algum tesouro não o prendo
*
xi
*

2:22 da tarde  
Blogger cm said...

...o sonhos fechados não duram..esmorecem...uma optima escolha para partilhar...um abraço

6:32 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

+
LINDA
+
O MEU BLOG ESPERA-TE
+
JI
+

10:16 da tarde  
Blogger sonhadora said...

Tens um miminho no meu blog.
Passa por lá.
Deves transcrever para um post a 5ªa linha da página 161 de um livro que estejas a ler. Comentas essa frase e fazes nomeações.
Beijinhos embrulhados em abraços

10:52 da tarde  
Blogger Isabel José António said...

Querida Amiga Ana,

São sempre dias de festa
Os dias em que descobrimos
Que atrás de qualquer fresta
É um mundo que entreabrimos

É o sim, o não, o tudo e o nada
É um pássaro a cantar na manhã
É uma brisa que vem da madrugada
E algo nos diz: A Vida não é vã

Um onda no mar, uma núvem no ar
Uma criança a correr e a sorrir
É um fio misterioso a impulsionar
A vida inteira em constante fluir

E tudo o que temos é este momento
O Eterno Agora. O sempre Presente
Lançando suas vibrações ao vento
Tudo transformando em algo vivente

Muitos parabéns pela escolha do lindíssimo poema.

E esta pequena "prenda" para ti.

Um abraço

José António

11:11 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home