terça-feira, julho 03, 2007

Com o silêncio do punhal num peito

Foto de Carlos Sousa aqui



Com o silêncio do punhal num peito,
O silêncio do sangue a converter
Em fio breve o coração desfeito
Que nas pedras acaba de morrer,

Vive em mim o teu nome, tão perfeito
Que mais ninguém o pode conhecer!
É a morte que vivo e não aceito;
É a vida que espero não perder.

Viver a vida e não viver a morte;
Procurar noutros olhos a medida,
Vencer o tempo, dominar a sorte,

Atraiçoar a morte com a vida!
Depois morrer de coração aberto
E no sangue o teu nome já liberto...




Alexandre O'Neill



.

10 Comments:

Blogger Sofhiamar said...

Um poeta que muito admiro. Um poema fabuloso. Uma imagem que me transporta para os meus locais de sonho.
" Viver a vida e não viver a morte"
Vivamo-la, à vida, com amizade, com alegria, com a solidariedade necessárias para festejar cada momento que partilhamos com os outros.
Contigo partilho momentos muito bons, Ana. Esta encosta que tem por vista o mar, tem tudo a ver comigo.
Que dala desça uma maré de beijos para ti. Com o sabor da maresia.
Beijinhos

6:58 da tarde  
Blogger Platero said...

Olá Ana

Muito obrigado pelas visitas de hoje e pela escolha deste poema.

Hoje para mim o dia foi muito bom, passei no sétimo e encontrei a minha médica por acaso e as notícias foram mais do que óptimas!

Logo conto.

Um abraço grande

7:01 da tarde  
Blogger Amaral said...

O Poeta!...

"Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro."

...e os belos sons que deixou...

7:56 da tarde  
Blogger A.S. said...

Nessa encosta nasceste flor
a meu olhar!
Assim te vi, de amor vestida
a florir e a amar
Rompendo do chão cheia de vida!


Um terno beijo!

10:28 da tarde  
Blogger cm said...

o fio da vida no gume das palavras...

um abraço

11:16 da manhã  
Blogger sonhadora said...

beijinhos embrulhados em abraços.
do lado do coração.

2:47 da tarde  
Blogger hfm said...

O'Neill e esta imagem - pacificando-me.

4:36 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

*
O amor é o amor - e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?..
,
in) alexandre Ó'Neill
,
mil gaivotas de O'Neill
*

1:36 da manhã  
Blogger cm said...

um doce e feliz fim de semana

1:11 da tarde  
Anonymous Saramar said...

magnífico poema.
Gosto muito dos poetas "irlandeses".
Estou passenado por aqui e gostando muito.

Obrigada por sua gentileza.

beijos, bom final de semana.

3:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home