sábado, junho 27, 2009

Pranto para comover Jonathan

Foto de Miguel Costa



Os diamantes são indestrutíveis?
Mais é o meu amor.
O mar é imenso?
Meu amor é maior,
mais belo sem ornamentos
do que um campo de flores.
Mais triste do que a morte,
mais desesperançado
do que a onda batendo no rochedo,
mais tenaz que o rochedo.
Ama e nem sabe mais o que ama.



Adélia Prado

(de O Pelicano ,
in Com Licença Poética- Antologia)


.

13 Comments:

Blogger Maria said...

Lindo poema de adélia Prado.
Eu comovia-me só com a foto...
:)

Bom fim-de-semana, Ana
Beijo

5:57 da tarde  
Blogger hfm said...

Há muito que não lia Adélia Prado já tomei nota, no meu interior, para quando em Lisboa, a ir reler. Fiquei com saudades. Bom fim de semana, Ana.

6:59 da tarde  
Blogger PAS[Ç]SOS said...

Quando o amor tem a força da necessidade de apenas o ser.

1:37 da manhã  
Blogger Brancamar said...

Belíssimo este poema, querida Ana!
Obrigada por mo trazeres.
Adélia Prado é uma poetisa que conheço pouco, mas é a segunda vez que a leio na blogosfera e fiquei impressionada e com vontade de ir à procura da sua obra.
Beijinhos para ti.

10:23 da manhã  
Blogger Isamar said...

Venho deixar-te um abraço apertado e beijinhos. Ausente mas sempre por perto leio-te com muito gosto. O mar é muito grande mas o amor, esse, é do tamanho do Universo.

Bem-hajas!

11:23 da manhã  
Blogger Baby said...

Também conheço pouco Adélia Prado, mas fiquei com vontade de ir mais longe, pois tocou-me a força do seu poema.

Um abraço.

5:29 da tarde  
Blogger ~pi said...

poema de pedra

a cinzel,

incisivo,



beijo




~

12:00 da tarde  
Blogger Maripa said...

A força do amor e do mar num belo poema.

E uma fotografia de entontecer de tão bela.

Bem-hajas pela partilha.

Beijo carinhoso,Ana.

8:29 da tarde  
Blogger maria m. said...

o amor como um sentimento maior.

beijos, Ana.

10:23 da manhã  
Blogger Pico minha ilha said...

Gostei deste comover, só a foto já diz tanto.Um beijinho Ana e até...
Ps mudei o link do blog só aqui pelo perfil encontras

4:54 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

reler Adélia é sempre um presente e um momento de encantamento. belo, como sempre. beijo, Ana.

7:24 da tarde  
Blogger Porcelain Doll said...

Gostei imenso... forte, muito forte... é essa tristeza maior que a morte, é essa desesperança que lhe dá tenacidade ainda maior que a do rochedo... às tantas já nem se sabe o que se ama... parece mesmo o meu amor... :)

Beijinhos!

11:30 da tarde  
Blogger Ed. G said...

Oi Ana,

Bonito, muito bonito.

Por mais fizicamente indestrutivel seja um diamante, jamais ultrapassará a indestrutibilidade do sentimento de um amor verdadeiro.

Um Bj,

Edg

7:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home