quarta-feira, junho 17, 2009

Camané "Sei de um Rio"



...................

Meu amor, dá-me os teus lábios!
Dá-me os lábios desse rio
Que nasceu da minha sede!
Mas o sonho continua

E a minha boca (até quando?)
Ao separar-se da tua
Vai repetindo e lembrando
Sei de um rio
Sei de um rio

Sei de um rio
Ai !
Até quando?


Poema de Pedro Homem de Mello



Foi com este tema que se iniciaram os concertos realizados esta semana no CCB , " Carta Branca a Camané".
Na sequência de um convite que lhe foi feito, o fadista concebeu uma apresentação de características únicas, onde se conjugou a linguagem do Fado, o piano de Mário Laginha e a sonoridade da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Um desafio vencido!

.

13 Comments:

Blogger Fernando Rozano said...

lindo poema e só fico imaginando o concerto...adoro o Mario, escuto-o com a Maria João....(undercovers, acho que este é o nome do cd que tenho). saudade sempre daqui, mas agora retornando paar valer, Ana. beijo e o carinho da minha amizade desde esse lado do oceano.

9:03 da tarde  
Blogger PAS[Ç]SOS said...

Sei de um rio... sei de um rio... que banha as margens de dois seres que separados se mantêm olhando... um para o outro... até quando?

10:19 da tarde  
Blogger Maria said...

Queria tanto ter ido ver o Camané, mas o calor impediu-me, completamente.
Tenho este video preparado para oferecer a alguém um dia destes...

Beijinho, Ana

10:23 da tarde  
Anonymous pico minha ilha said...

Um espectáculo que gostaria de ver.O poema é lindo, agora vou ver o video.Beijinhos

11:37 da tarde  
Blogger Ed. G said...

Oi Ana,

Camané com mais um poema lindo, muito voraz. Gostaria muito de poder estar presente nesse concerto.

Um Bj,

Ed.G

12:03 da manhã  
Blogger Sophia Paixão said...

Depois de escutar a expressão aguda do Camané quando (en)canta no palco e o arrepio do piano do Laginha, só consigo pensar que perdi um daqueles espetáculos de vida que vão acontecendo por aí ao longo dos anos...

bjo*

12:52 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
ana,
gostei dos teus gostos,
,
vou pelo poeta,
,
Meu amor diz-me o teu nome
— Nome que desaprendi...
Diz-me apenas o teu nome.
Nada mais quero de ti.
Diz-me apenas se em teus olhos
Minhas lágrimas não vi,
Se era noite nos teus olhos,
Só por que passei por ti!
,
in-Pedro Homem de Mello,
,
uma encosta de maresias,
te envio,
,
*

3:04 da tarde  
Blogger Lídia Borges said...

Belo poema, bela música!

Ainda há muita poesia por este país fora.
Bem-haja a quem a partilha.




Um beijo

5:41 da tarde  
Blogger Maria Costa said...

Gostei de ouvir.

11:03 da tarde  
Blogger tecas said...

Da terra do Pedro Homem de Melo, um bem haja por o recordar. Belo poema, querida Ana. Pena não ter conseguido... Bji e obrigada pela visita ao meu blog e um bom fim de semana. Com mais sol do que por aqui...:)

2:53 da tarde  
Blogger Lmatta said...

também gosto "sei dum rio"
beijos

3:35 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

[um rio

na

voz


*


um rio

no

homem]

11:44 da tarde  
Blogger Porcelain Doll said...

Um sonho nunca morre... adoro Mário Laginha... adoro a Orquestra Metropolitana de Lisboa... parece magnífico! :)

Beijos!

1:31 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home