domingo, outubro 08, 2006

Regresso




Foi mais que uma viagem. Foi um percorrer de caminhos do passado. Foi um voo sobre futuros insondáveis.
Regresso agora, sobrevoando este continente negro, de mistérios e magias.
Fecho os olhos e vejo tudo, de novo. Os coqueiros agitados pelo vento, as longas estradas de pó vermelho, as aldeias de caniço onde as famílias se sentam no terreiro, ao fim da tarde, unidas na mesma história, o sorriso franco nos olhos das crianças.
E vejo o mar, tão azul e tão profundo, sulcado pela brisa morna, percorrido por barcos com esteiras de espuma, navegado pela serenidade das baleias.
E espreito as profundezas do mar, o deslizar dos tubarões e das raias gigantes para os quais não há pressas, nem urgências.
E ouço o mar, à noite, debaixo de um manto de estrelas como nunca vi outro igual.
Mais forte e mais doce que tudo, vejo, e quero, o sorriso mais bonito que conheço e os olhos da cor do céu e do mar.
Obrigada, Alex, por me teres aberto a porta do azul do Índico.

14 Comments:

Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Um desejo que tenho: visitar o Índico. Estás mesmo nostágica :)
Um beijo
Daniel

3:01 da tarde  
Blogger lobices said...

...encostas do mar...
...humm...que bom
...um beijinho

1:38 da tarde  
Blogger heloisa said...

"Foi mais que uma viagem. Foi um percorrer de caminhos do passado. Foi um voo sobre futuros insondáveis.
Regresso agora, sobrevoando este continente negro, de mistérios e magias.
Fecho os olhos e vejo tudo, de novo. Os coqueiros agitados pelo vento, as longas estradas de pó vermelho, as aldeias de caniço onde as famílias se sentam no terreiro, ao fim da tarde, unidas na mesma história, o sorriso franco nos olhos das crianças.
E vejo o mar, tão azul e tão profundo, sulcado pela brisa morna, percorrido por barcos com esteiras de espuma, navegado pela serenidade das baleias.
E espreito as profundezas do mar, o deslizar dos tubarões e das raias gigantes para os quais não há pressas, nem urgências.
E ouço o mar, à noite, debaixo de um manto de estrelas como nunca vi outro igual.
Mais forte e mais doce que tudo, vejo, e quero, o sorriso mais bonito que conheço e os olhos da cor do céu e do mar.
Obrigada, Alex, por me teres aberto a porta do azul do Índico."
*********************************
**************************************
****************************************SIMPLESMENTE, MARAVILHOSO*!!!!!!!
BOM REGRESSO!
AQUI ESTAO OS MEUS BRACOS ABERTOS E O MEU *ABRACO BEM APERTAD*!!!!!!
AH! QUE SAUDADE!!!!
Que o ALEX* continue BEM E FELIZ!!!
Sua AMIGA,
Heloisa.
*************PS Escrevi-LHE (novamente) poucos minutos atras!
****************************JINHOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

3:46 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

Oi Ana, feliz com o teu regresso, mergulhei em teu texto, no azul das tuas palavras, no mais fundo do que vivestes. (aos poucos, estou também de volta.) Muita saudade daqui e de ti. beijo.

3:24 da manhã  
Blogger AS said...

Ana! Muito contente com o teu regresso, inundada por esses azuis por onde andaste. Vejo-te feliz e isso para mim é sentir que regressas na harmonia serena do tempo que passou...

Um abraço de saudade

11:01 da manhã  
Blogger Heloisa B.P said...

GRATA! GRATA! GRATA!!!!!!!
LI TUDO* com a maxima atecao, ansiedade e carinho!!!!
Irei responder assim que tiver o computador ao meu dispor e, em silencio! Neste momento, tal nao acontece!
BEIJINHO!
E... que continue com esse ESTADO DE ALMA*!!!!!
_LINDA ESTA FOTO_!!!!!!
MAIS LINDA AINDA, *SUA TERNA AMIZADE*_Tao importante para mim_!!!
**********************************
Heloisa.
**********

12:38 da tarde  
Blogger hfm said...

Quando os olhos e a alma trazem os cheiros, as cores e o infinito, houve viagem!

10:35 da manhã  
Anonymous Guilherme F said...

Ana, para brindar o teu Regresso (bom, muito bom) só podia oferecer-te outro...(visita o meu, deixa as tuas palavras).

Bjs
gui

1:50 da tarde  
Blogger TMara said...

por um mmt fez-se uma janela no mundo e voei no teu olhar e vi.
Luz e paz em teu caminhar e ao teu redor.
Bjs.

5:25 da tarde  
Blogger Kalinka said...

ANA
DEIXAS-ME ARREPIADA COM AS TUAS PALAVRAS.
Fizeste-me voltar a percorrer caminhos do passado. Leio-te, fecho os olhos e vejo tudo, de novo. Os coqueiros agitados pelo vento, as longas estradas de pó vermelho, as aldeias de caniço, o sorriso franco nos olhos das crianças.
E vejo o mar, tão azul e tão profundo,espreito as profundezas do mar, ouço o mar, à noite, debaixo de um manto de estrelas como nunca vi outro igual.
ESSA É A MINHA TERRA...
Que saudades!!!
Beijos.

12:07 da manhã  
Blogger Lmatta said...

Lindo teixto
gosto
beijos

7:52 da tarde  
Anonymous Jo Afonso said...

Mana, felizmente voltaste à tua Encosta - ao teu reino - voltaste senhora do tempo vivido nessas terras de feitiço, de encantamento...
Vai-nos brindando com imagens colhidas durante a tua estada no continente africano.
Um beijo feliz, JO

1:09 da manhã  
Blogger Vanda Baltazar said...

Trouxeste um pouco dele, contigo.

Deixaste lá, um pouco de ti.

Essa nostalgia, saudade, essas cores que te prenderam...


Eu há 6 anos descobri que tinha um coração africano :) foi inesperadamente no Senegal, quando dei por mim, infeliz pela partida...

Um dia descobrirei o Indico :) trarei de lá o mar nos olhos e deixarei lá um pouco de mim...talvez a saudade, como tu :)


Um beijo, Ana e um bom fim de semana!

Van

11:53 da manhã  
Blogger DE PROPOSITO said...

Um texto que é poesia.
Fica bem.
manuel

4:58 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home