sábado, julho 29, 2006

Comovem-me





Comovem-me ainda os dias que se levantam
no deserto das nossas vidas.

Dos belos palácios da saudade
não resta a impressão dos dedos nas colunas
fendidas, e nada cresce nos pátios.

Muito além, depois das casas, o último
marinheiro continua sentado.
Os seus cabelos são brancos, pouco a pouco.

Aqui, tudo se resume a algumas tâmaras que
secaram ao sol,
longe do orvalho,
das fontes que pareciam nascer de um olhar
turvo sobre a sede da terra.

Comovem-me ainda as palavras que dizias
aos meus ouvidos aprisionados pela música.
Comovem-me as cadeiras vazias, no pátio.

Lembro-me sempre de ti.




José Agostinho Baptista

15 Comments:

Blogger AS said...

Ana, há recordações e imagens que ficam para sempre gravadas na nossa memória... Particularmente aquelas que nos fazem reviver essas emoções!...

Mais um poema excelente que nos ofereces...

Um beijo e um bom fim de semana

9:59 da manhã  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Comovem-me as situações de abandono, solidão e tristeza infinita, apesar de não vivermos no deserto...
Um beijo
Daniel

6:41 da tarde  
Blogger Kalinka said...

OLÁ ANA
Amiga, que belos momentos passei na tua companhia. ADOREI.
Não falei tudo o que tinha para partilhar contigo, muito ficou por dizer, mas, outro dia virá, para outro belo encontro, penso eu.

Esta poesia é linda, fala de coisas muito simples e verdadeiras das nossas vidas:
deserto das nossas vidas.
palácios da saudade
nada cresce nos pátios.
Aqui, tudo se resume a algumas tâmaras que secaram ao sol...
Comovem-me as cadeiras vazias, no pátio. ADOREI.
PARABÉNS pela escolha.

Lembro-me que te mostrei as minhas fotos da Tunísia e lá se viam as grandes plantações de tâmaras...
Beijos minha AMIGA.

1:12 da manhã  
Anonymous cidadão comum said...

vou de férias mas não queria deixar de desejar um bom verão e até ao meu regresso.

9:25 da manhã  
Blogger As cores da vida said...

... porque há coisas que não são para se esquecer :-)*

1:34 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

BELISSIMO*!!!
E, faco meu o ultimo *VERSO DO POEMA*:"Lembro-me sempre de ti."
************************************
ASSIM E'!
BEIJINHO!
Heloisa.
**********

6:01 da tarde  
Blogger douglas D. said...

daquilo que lembramos, habita-nos o bem querer.

4:43 da tarde  
Blogger Lmatta said...

Lindo
gostei
beijos

9:27 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

Mais UM ABRACO, Minha AMIGA!
E..."Comovo-me", tambem!...

Heloisa.
**********

1:09 da tarde  
Blogger Kalinka said...

AMIGA
Quando quiseres, passa no meu kalinka, pois já comecei a fazer a reportagem fotográfica do dia que passamos juntas naquela tão bela terra, junto ao Mar.
Tenho fotos espectaculares, vou colocando algumas de cada vez.
Espero que gostes, para mim, foi um dia inesquecível. Obrigado.

2:24 da manhã  
Blogger heloisa said...

BOM DOMINGO*, AMIGUINHA!
Deixo meu Abraco!
Heloisa.
***********

10:22 da manhã  
Blogger Heloisa B.P said...

PASSEI!!!!
Me comovo e...me PREOCUPO!
beijinho.
Heloisa.
***********

3:12 da tarde  
Blogger DE PROPOSITO said...

E, como me lembro de ti,
Sempre passarei por aqui.
Fica bem.
Manuel

6:01 da tarde  
Blogger Duarte Temtem said...

Que lindo poema...
Continuo a louvar as tuas escolhas Ana!

1:22 da manhã  
Blogger anrasaxa said...

MUITO BONITO

7:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home