quinta-feira, maio 01, 2008

O tempo de Maio

Coquelicots en Argenteuil (Monet)


Maio é o tempo da perfeita harmonia.
Trajado de negro, mal rompe a luz
O melro canta uma canção de clara alegria.
Nos campos se abraçam as flores e as cores.

O cuco saúda o verão majestoso com galhardia.
Passou o tempo dos dias ruins, a brisa é doçura.
No bosque as árvores de folhas se vestem
E se foram nuas agora são sebe de verde espessura.

O verão vem chegando e corre sem pressa a água do rio.
Manadas ligeiras nas águas mansas a sede saciam.
Na encosta dos montes se espalha o azul do cabelo da urze,
E frágil e branca se abre a flor do linho silvestre.

(...)



Anónimo irlandês (cultura celta)
in Rosa do Mundo - 2001 Poemas para o Futuro
tradução de José Domingos Morais

.

12 Comments:

Blogger hfm said...

Belíssimo de Monet às palavras.

10:34 da manhã  
Blogger Adriana said...

Esta poesia associada a Monet...ficou perfeito.

11:24 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
monet,
bucólico perfume
no
aroma dos olhares,
,
conchinhas mareantes,
,
*

11:15 da manhã  
Blogger hfm said...

O disco O Lusitano existe à venda e é belíssimo! Quanto aos castelos do Loire sinto a nostalgia desse ano em que os corri num final de Agosto e dessa época guardo grandes recordações especialmente de Loches. Qualquer dia vou postar alguns poemas que escrevi e que recolhi num livro editado no Brasil (!!!!!!) e que se chama Desfolhando Lugares.

11:58 da manhã  
Blogger Carminda Pinho said...

Ana,

"Maio é o tempo da perfeita harmonia..."
Acho que o poeta teve toda a razão quando o escreveu.
Maio é para mim o mês mais bonito do ano.
Maio foi o mês em que fui mãe pela primeira vez.
Maio é o mês das flores, das cerejas. Maio é o mês em que os campos estão mais bonitos, tal como o quadro de Monet.

Beijos

3:38 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

Em Domingo de Maio, desejo-te um feliz dia da Mãe, querida amiga.

Com mil beijinhos e um muito obrigada por seres quem és.

Bem Hajas!

2:34 da tarde  
Blogger Odilon said...

Maio, contrário Maio.
Neste pedaço do mundo.

Lá saúdas o verão
Aqui anuncias o frio.

8:32 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Da beleza da pedra à beleza da pintura, passando pela beleza das palavras, espalhando a tua beleza...
Um beijo
Daniel

9:43 da tarde  
Blogger lisboeta said...

Gosto de pintura impressionista.

Gosto muito da obra de Monet.

Gosto de papoilas.

Gosto do piquenique das burguesas que Cesário Verde nos conta no seu poema

“De Tarde.

Naquele pique-nique de burguesas,
Houve uma coisa simplesmente bela,
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão-de-bico
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, inda o Sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos,
E pão-de-ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da merenda
O ramalhete rubro das papoulas! “

- - -

Linda esta poética aguarela impressionista de Cesário, que me veio à memória ao olhar para as Papoilas em Argenteuil de Claude Monet.

Lindo, cromático, com sons e odores o poema com que nos brindas.

A vida nasceu dentro de mim num mês de Maio.

Maio, alta primavera, a natureza já acordou, a vida renasce.
Riachos ressuscitam, flores eclodem, bosques voltam a ostentar os seus verdes e os campos também.
E há papoilas a ornamentá-los!

(m)Ana, um beijo para ti!

1:47 da manhã  
Blogger tulipa said...

AMIGA
Maio é o tempo da perfeita harmonia. Nos campos se abraçam as flores e as cores.

TAMBÉM EU FAÇO REFERÊNCIA ÀS FLORES E ÀS CORES...
vem ver, espero por ti, ando sem saber nada de ti, que se passa???

Boa semana. Beijos.

2:25 da manhã  
Blogger Fernando Rozano said...

as cores de maio, aqui no sul, são deslumbrantes. o outono é mágico, é poesia, é Monet. belíssimo, Ana. beijo.

2:42 da tarde  
Blogger Sophiamar said...

Beijosssss muitossss

Bem hajas!

11:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home