quarta-feira, outubro 22, 2008

quem sabe, amanhã será primavera




Casa da Avó / Maia, Setembro, 15


Uma vez mais te esperei para o almoço
e não vieste!
Tirei as plantas do sol
que está muito forte
e coloquei na mesa
a melhor toalha de linho
(tinha que ser de linho)
aquela bordada
onde as papoilas parecem ter vida;
E não vieste!
O sol, há muito que se foi...
Voltei a colocar as plantas lá fora
para que possam receber
os seus primeiros raios
quando chegar.
Dei leite à gata
e aferrolhei a porta.
Deixei na mesa a toalha de linho
bordada com papoilas
à espera que amanhã
a primavera
te traga para o almoço!...




Maria Mamede


.


Aranjuez, Setembro, 15


Não sei porquê
hoje lembrou-me que
puzeste na mesa
aquela toalha de linho
onde as papoilas vermelhas
são beijadas pelo sol bordado
que te sai das mãos!...
Quis afastar esse pensamento
e fui até à margem do rio,
junto das margaridas que tanto gostavas...

Dei por mim a relembrar os tempos idos,
os nossos segredos,
os sonhos perdidos,
as histórias de amor,
os dias mais felizes...
E tudo parece que rebrilha
como pedrinhas de cor
entre as raízes...


Quem sabe, amanhã será primavera!...




Albino Santos



Por vezes a poesia nasce assim, do diálogo entre pessoas afastadas no espaço, mas não no sentir.
.

15 Comments:

Blogger Maria said...

Porque será que estes livros não aparecem aqui por Lisboa?
Já tentei até mandar vir pela FNAC, ah, é difícil... dois meses depois "olhe, não conseguimos"...

Vou tentar quando foi aí, da próxima vez...

Um beijo, Ana

1:28 da manhã  
Blogger em azul said...

Gosto da Maria Mamede e gostei do Albino Santos. Vou tentar conhecer melhor. Obrigada.
Beijo
em azul

1:32 da manhã  
Blogger maria m. said...

gostei deste "diálogo" entre poetas.

9:50 da manhã  
Blogger Fernando Rozano said...

diálogo maravilhoso e que dá cor à vida. belo, como sempre é aqui, Ana. beijo.

1:01 da tarde  
Blogger Maripa said...

Que bonito,Ana, esta "conversa" entre dois poetas!

"Quem sabe, amanhâ será primavera!..."

Beijo carinhoso.

9:48 da tarde  
Blogger ~pi said...

ai belo belo bala de

açúcar dança valsa

saia roda de

mim :)



~

9:52 da tarde  
Blogger batista said...

beleza de dueto!

deixo um abraço fraterno.

2:06 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

A poesia assim partilhada tem mais sabor. E sobretudo quando as quatro mãos têm uma sensibilidade semelhante.
Muito bonito!

Beijinhos mil

6:31 da manhã  
Blogger A.S. said...

Deixo-te o meu abraço Ana!... Obrigado por seres quem és!!!

2:53 da tarde  
Blogger O Profeta said...

O sonho de hoje voa no amanhã
Esta terra prende-me os pés
Um fruto maduro é repasto de pássaro
Um caminho feito de lés a lés

Taça de finos aromas
Uma súplica presa na brisa da tarde
Na morada dos teus maiores desejos
Há um coração que por ti arde


Bom fim de semana


Mágico beijo

10:00 da manhã  
Blogger hfm said...

Belo diálogo.

10:32 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
suprema junção, a tua,
,
obrigado pelo post,
,
conchinhas, nocturnas,
,
*

8:51 da tarde  
Blogger De Amor e de Terra said...

Olá Ana, boa noite!
Venho agradecer a sua estada na apresentação do Albino, a aquisição dos livros e a divulgação que tem feito; por tudo isto um ABRAÇO ENOOOORME!
Quero ainda dizer-lhe que fiquei feliz por a conhecer pessoalmente; é tão bom conhecer, ao vivo, quem conhecemos só virtualmente!!!
Obrigada, bom fim de semana e até sempre.
Beijo

Maria Mamede

12:05 da manhã  
Blogger Márcia said...

Que belo diálogo!
Um beijo daqui, Ana.

11:07 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

à mesa

da

(plural)

poesia

o sol

é alimento

singular



vitaminado :)

11:20 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home