quarta-feira, abril 28, 2010

Em legítima defesa

Foto de Katia Chausheva aqui



Sei hoje que ninguém antes de ti
morreu profundamente para mim

(...)

Os outros estão mortos porque o estão
Só tu morreste tanto que não tens ressurreição
pois vives tanto em mim como em qualquer lugar
onde antes te encontrava e te posso encontrar
e ver-te vir como quem voa ao caminhar
Todos eram mortais e tu morreste e
vives sempre mais



Ruy Belo

.

10 Comments:

Blogger Maria said...

Como posso comentar Ruy Belo?
Agradeço-te, apenas, a partilha.

Beijinho, Ana.

3:54 da manhã  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Está vivo quem é lembrado... tão poucos.
Um beijo
Daniel

8:23 da manhã  
Blogger Baby said...

De tão belo, ficamos sem palavras, mas penos de emoção!
Obrigada pelas tuas escolhas.
Um beijo.

6:56 da tarde  
Blogger Lmatta said...

esta lindo
beijo

4:10 da tarde  
Blogger . intemporal . said...

.

. bel.íssimo,,, no tom e no dom de cada sílaba .

. autónoma .

. um bom fim de semana .

. um beijo meu .

.

. paulo .

.

4:37 da tarde  
Blogger tulipa said...

OLÁ AMIGA

É o primeiro 1º de Maio que tenho em casa um "Desempregado" com 62 anos, desde 31 de Julho de 2009...
Não há razões para festejar seja o que for!!!

Acabei de fazer um post sobre o "Dia da Mãe" mas, nada de recordações antigas, pois estou a ser seguida por um psicólogo que me tem ajudado a "cortar" com o meu passado, pois era só sofrimento sempre que "ia ao passado buscar lembranças" e, como perdi a m/Mãe muito cedo, evito voltar a falar no assunto;
a sua memória está muito bem guardada no meu coração, mas falemos de outras coisas...

O meu peito é um autêntico mar de emoções e já apanhei alguns sustos, devo fugir a situações de risco.

Venha buscar um presente que, com todo o meu amor lhe ofereço neste dia especial.

Beijos com carinho.

9:18 da tarde  
Blogger A.S. said...

Querida Ana,

Como sabes sou fã do Ruy Belo. Este poema tem uma intensidade poética que não deixa ninguém indiferente!
Repousar na tua Encosta, é sentir fortes emoções em cada silaba...


O meu abraço!
AL

12:13 da tarde  
Blogger maria manuel said...

que belo e extrordinário poema de Ruy Belo! obrigada por o trazeres aqui.

beijo, Ana!

1:38 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
que importa
que algures continues ?
tudo morreu:
tu eu esse tempo rsse lugar
que posso eu fazer
por tudo isso agora ?
talvez dizer apenas,
chovia e vi-te entrar no mar,
e aceitar a irremediável
morte para tudo e todos.
,
in - Ruy Belo,
,
conchinhas, deixo,
,
*

4:08 da tarde  
Blogger De Amor e de Terra said...

Olá Amiga; gosto muito de Ruy Belo, do seu modo doce e rude ao mesmo tempo, com que tão bem fala do amor.
Bjs.
M.M.

8:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home