domingo, fevereiro 27, 2005

A Concha


Foto de Alexandre NT aqui


A minha casa é concha. Como os bichos
Segreguei-a de mim com paciência:
Fachada de marés, a sonho e lixos,
O horto e os muros só areia e ausência.

Minha casa sou eu e os meus caprichos
O orgulho carregado de inocência
Se às vezes dá uma varanda, vence-a
O sal que os santos esboroou nos nichos.

E telhados de vidro, e escadarias
Frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!
Lareira aberta ao vento, as salas frias.

A minha casa... Mas é outra a história:
Sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,
Sentado numa pedra de memória.


Vitorino Nemésio

7 Comments:

Blogger Duarte said...

Bonito este poema onde Vitorino Nemésio compara a sua casa a uma concha, aparentemente protectora, mas que descerra tudo o que ele foi... Bjinhos ;)

12:24 da tarde  
Blogger AS said...

Mas como é linda esta tua casa!...

Um beijo

2:34 da tarde  
Blogger lique said...

Por vezes a casa é protecção, concha. Outras vezes ficamos sujeitos às tempestades da memória. Beijinhos, Ana.

7:57 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Belíssimo...já há muito que não revia este texto. Obrigada! Uma boa semana.
Beijos mil, BShell

10:22 da tarde  
Blogger Cris said...

Vitorino Nemésio igual a si próprio.
Afinal a nossa casa, somos, antes de mais, nós próprios, n é?
Lindíssimo, como qualquer uma das tuas escolhas.

Beijinho grande

1:25 da manhã  
Blogger concha said...

Como é que eu tinha perdido este poema no teu blog e a fotografia?!
Ai, ai!
Beijos

9:10 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Ohhhhhhh...

11:20 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home