domingo, janeiro 15, 2006

As linguagens





Na cabeça de um homem há muitas línguas a falar diferente
Falam com bocados umas das outras e estão unidas sem saber
Quando um homem pensa sozinho consigo mesmo
E quer tirar da cabeça uma produção útil para todos.

Por exemplo: Penso Rio. É matsi, é water, é água,
É quilos de litros a andar depressa
É uma música da água, é um desenho da água na cabeça.
Posso falar Rio; posso medir Rio; posso desenhar Rio.
Posso tirar o Rio da cama e pôr o Rio acordado num papel
Que é um retrato parecido deste Rio mesmo este.

Isto que faz na cabeça de um homem tirar retrato são línguas
O Rio, a Árvore, o Animal, a Rocha, a Terra, o Sol, o Vento
São as caras da Natureza que as minhas línguas estudam.

A escola Primária Colonial está mal.
A língua das palavras não chega para tudo
É preciso aprender uma língua dos números
É preciso aprender a língua dos desenhos
As três línguas juntas é que são a língua verdadeira do Homem
E depois o Homem já fala à Natureza bem
E pode aprender dela tudo o que há-de ensinar.

Sigo a pista do cabrito: pegadas e capim partido. É desenho isso.
O excremento está fresco ao Sol. Passou pouco. É cálculo aritmético.
Está ali. Não é cabrito. É cabrita. Falei com palavras.
Conheço que não sei pensar nada só numa língua.


Imagem e poema de António Quadros

10 Comments:

Blogger Ana Maria said...

quero dar-te um beijinho pelo carinhoso comentário que deixaste no meu cantinho.

10:58 da manhã  
Blogger AS said...

Ana, a imagem é fabulosa!...
O poema, sugere-me que sublinhe o seguinte:

"A língua das palavras não chega para tudo
É preciso aprender uma língua dos números
É preciso aprender a língua dos desenhos
As três línguas juntas é que são a língua verdadeira do Homem"


Um belissimo post Ana, como aliás já nos habituaste


Um beijo grande

3:01 da tarde  
Blogger Cristina said...

Ana,
Adorei a imagem!
O poema é magnifico!
Uma linda semana para ti
:)
beijinhu

4:26 da tarde  
Anonymous the guardian said...

hummm muito interessante....boa semana cheia de posts magníficos.

8:42 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Há línguas a mais, que confundem o Homem... dizem que por desígnio de Deus...
Um beijo
Daniel

11:19 da tarde  
Blogger hfm said...

Não conhecia, gostei de ler.

11:10 da manhã  
Blogger Ana Maria said...

Querida, passo pela tua casa e largo um beijo doce!

11:24 da manhã  
Blogger Baby said...

Para um lindo poema, uma linda imagem
Gostei do teu blogue.
Vou guardá-lo nos meus favoritos.
Um excelente 2006 com muita imaginação

6:21 da tarde  
Blogger Duarte Temtem said...

Bem, nunca li nada que se assemelhe a este poema!

Agradeço-te por mo dares a conhecer, é único!

Bjs

8:13 da tarde  
Blogger Um outro olhar said...

Encontrei por acaso, gostei muito.
Está excelente o modo como está descrito "as linguagens", leve e lindo.
:)

8:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home