sábado, dezembro 17, 2005

Estrelas





Deito-me a ouvir a chuva e o mar
deito-me a ouvir a tua voz
enches a casa vazia
e no meu peito
nascem estrelas.
.

10 Comments:

Blogger lazuli said...

Adorei esse teu poema.

3:21 da manhã  
Blogger douglas D. said...

desperto ao sentir a chuva tocando o velho telhado desta casa que me abriga os ossos cansados

desperto ao sentir que nada mais importa quando as madrugadas são digeridas em silêncio

você partiu e deixou um mundo escrito em letras miúdas que eu não soube ler.


no meu peito jazem estrelas

sangram cigarras

anjos desenham chuva

e eu não sei mais dos girassóis.

3:44 da manhã  
Blogger sotavento said...

Mesmo que não falasses!... :)

9:15 da tarde  
Blogger Anakin said...

... que te iluminam a face e brilham nos olhos... lindo!
Beijo

11:05 da tarde  
Blogger romero said...

Pocas palabras que dicen tanto !
encantador ;)
besito, Ana :)

12:18 da manhã  
Blogger Duarte Temtem said...

E com 5 versos apenas se leva um sorriso a um leitor...

Está muito bonito, muito bonito mesmo Ana.

Deixo-te um beijinho e os votos de um Feliz Natal :)

12:39 da manhã  
Anonymous guardião da cidadela said...

humm...o som da chuva e do mar...hum...

8:32 da manhã  
Blogger Pirilampa said...

lindo...

8:05 da tarde  
Blogger AS said...

Ana, que coisa mais linda!!!
Tem tudo para ser um poema qque se aproxima do infinito.... Belo!

Um beijo grande

11:16 da tarde  
Blogger Lmatta said...

Um Bom Natal Cheio De Paz
Muitos beijinhos

11:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home