quarta-feira, maio 31, 2006

Noites




Mais um presente do meu amigo Frog , autor do livro "Gotas de luz", onde foi publicado este poema.
Partilho com todos os que por aqui passarem, para que o sonho volte à ronda dos segredos.
Obrigada, Frog.



Quando a noite se torna mais escura
Como tela sombria a negro impressa
Venha o sonho que vier, tem mais altura
A sombra em que às vezes se tropeça.

E a sombra teimosa e negra permanece
Tão viva, tão espessa, tão presente
Que o sonho que sonhamos só acontece
Na medida em que a sombra o consente.

Rasgue-se a noite num grito agudo
Num claro rumor que afaste os medos
Que dissipe a sombra, o negro e tudo
E o sonho voltará à ronda dos segredos.


Albino Santos Oliveira

10 Comments:

Blogger DE PROPOSITO said...

Um bonito poema. Vou tentar entender o raciocínio do poeta.
fica bem.
Manuel

12:50 da manhã  
Blogger AS said...

Ana, Tentei enviar-te um mail... veio devolvido! Envia-me um, preciso falar contigo! Não tenho palavras para agradecer a tua gentileza.

Um beijo

12:59 da manhã  
Blogger Kalinka said...

Aqui estou, logo a seguir ao nosso Amigo Poeta, que ficou sensibilizado com o teu acto, Amiga Ana.
Fiz algo idêntico, em Dezembro, quando fui assistir ao lançamento do seu livro, ali mesmo, em pele e osso, ao vivo, para os lados do Porto.
Tanta poesia junta, já não tenho palavras para exprimir o que sinto.
Beijokas de saudades.

1:59 da manhã  
Anonymous cidadão comum said...

então os parabéns ao frog.

5:45 da tarde  
Blogger alice said...

querida ana,

acabo de receber o seu comentário, muito obrigada

tenho a honra de conhecer o al pessoalmente e o privilégio do próprio me ter oferecido este livro que é de facto uma gota de luz na minha vida

agradeço-lhe por este post

um grande beijinho

alice

6:59 da tarde  
Blogger Duarte Temtem said...

Estimada Ana

Esta tua encosta é uma biblioteca, como é bom parar por aqui.

Já perdemos o desfiladeiro, espero que a encosta se demore por muito tempo.

Bjs

2:58 da manhã  
Blogger lique said...

A poesia do Albino tem uma qualidade reconhecida. Este poema é prova disso.
Beijinhos, Ana

4:05 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

TRAGO-LHE MEU IMENSO E AMIGO ABRACO!
Deixo os PARABENS ao ALBINO*, por mais ESTE LIVRO*!
..................Heloisa.

10:22 da tarde  
Blogger Lmatta said...

Lindo poema do Albino
Bravo
beijocas

11:07 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Hoje não há estrelas. É noite.

Até os deuses se fartaram das estrelas
e guardaram-nas nos bolsos.

Pobre céu às escuras!

... e sempre a iluminar
o desespero dos homens.

...

Gosto sempre (que posso) vir aqui.
Excelentes palavras...

mARio

11:15 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home