domingo, janeiro 14, 2007

Para ti, Jota





Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.


Alexandre O'Neill



Como homenagem a mais um amigo que partiu.
A ti, que me ajudaste a ver a beleza das palavras que salvam... como a Poesia e a Amizade.
Até sempre, Poeta.

15 Comments:

Blogger Amaral said...

Hoje, o meu comentário é bem curto:
"Faz feliz a parte de Mim que és tu!", que talvez queira dizer: "Ana, faz Deus feliz!"
No meu sítio, tentarei explicar!...

9:12 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Não conhecia o site.
A liberdade da net é algo único, a preservar. Permite que conheçamos escritas que de outra forma não seria possível.
Um beijo
Daniel

10:38 da tarde  
Blogger Kalinka said...

QUERIDA ANA

através de ti cheguei lá e...o Jota faleceu dia 23 de Dezembro.
Imagino a tristeza da família mesmo em vésperas de Natal...
Obrigada por divulgares um belo lugar de poesia.
A vida é mesmo tão curta!!!

Beijos de saudades.

11:49 da tarde  
Blogger AS said...

Tudo o que parte
acaba por regressar!
Até a brisa mansa de leste
trás de consigo
o cheiro delicioso
a fruta madura
perfumando a paz...
Tudo regressa!
Mas se tudo regressa,
por que é que algum dia se parte?
Há tanto tempo que esta pergunta me atormenta!


Para ti Ana... com um beijo!

6:39 da tarde  
Blogger douglas D. said...

a morte rouba da gente
aqueles que tanto que amamos
mas a vida conosco continua
e nela, eles estão.

1:42 da tarde  
Blogger Ana Luar said...

deixo apenas um abracinho apertado nesta hora de profunda tristeza.

12:01 da tarde  
Blogger lena said...

ana, minha doce menina, saudades de ti também, saudades de te ler, saudades desta encosta do mar

lia o Jota, saudades do poeta que vive nas palavras, na poesia e na amizade

uma homenagem bela, com um excelente poema de O'Neill

hoje abraço-te ternamente doce ana

lena

10:00 da tarde  
Blogger Amaral said...

Um amigo que parte é mais um amigo que entra na Unidade. Um amigo que vai redescobrir a sua Luz; um amigo que ascende à sua dimensão superior; um amigo que se liberta, finalmente!
Mas que deixa o nosso convívio, que deixa dor em familiares e amigos, e que deixa um trabalho para recordarmos a sua permanência entre nós...
Das mil e uma "coisas" que ele fez e deixou, calhou-te a ti um bocado: foi ele que te ajudou a ver a beleza das palavras que salvam...
Poderia "corrigir" Alexandre O'Neill e finalizar: "Abraçados com a morte"!...
Até sempre, aos que estão e aos que, de novo, iremos encontrar, um dia...

11:54 da tarde  
Blogger Kalinka said...

Dei por mim a pensar que já ri com vontade, já nadei até perder o fôlego, já chorei até adormecer e acordei com o rosto cheio de marcas que tentei disfarçar com água e cremes, que já falei sozinha com o espelho, que já quis ser médica, escritora, actriz ou pintora.
Dei por mim a pensar que já fui criança que joguei às escondidas, inventei amigos, já andei à chuva e senti-me livre. Já estive até altas horas da noite a fazer confissões aos meus amigos ou a ouvir as deles.
Dei por mim a pensar que já rimos e chorámos juntas… dei por mim a pensar que já confundi sentimentos e segui talvez pelo atalho mais complicado e nele caminhei pelo desconhecido…já chorei a ouvir músicas, já tentei esquecer pessoas mas conclui que essas são as mais difíceis de esquecer...

Bom fim de semana.
Beijo.
Nota:tenho saudades tuas!!!

11:24 da tarde  
Blogger Lmatta said...

Derixo um beijo

5:51 da tarde  
Blogger Guilherme F. said...

Regresso para sentir o prazer de te ler.
bj
Gui
Coisasdagaveta.blogs.sapo.pt

6:25 da tarde  
Blogger blugaridades said...

As partidas são sempre dolorosas e estas muito mais.Rasgam-nos as entranhas, despedaçam-nos a alma, deixam-nos o coração a sangrar.
Mas a lei da vida é esta. Felizmente ou infelizmente. Talvez o saibamos um dia.
Beijinhos

10:31 da tarde  
Anonymous Jofre Alves said...

Percorrer esta merecida página não é uma imposição, mas, tão-somente, um prazer lúdico, para ver a elegância, qualidade, de braço dado com a noção de estética e bem-fazer. Afinal, tenho a sorte de puder apreciar e visitar este agradável blogue. Óptimo fim-de-semana.

5:15 da manhã  
Blogger bom dia isabel said...

Um poema comovente para um amigo que parte.É assim a vida. Feita de alegrias e tristezas. Mas há partidas que podem ficar para mais tarde. Muito mais!
Beijinhos

6:47 da tarde  
Anonymous  said...

Pois é, Ana! Mais um amigo nosso que, tão cedo, terminou esta viagem terrena que, já por si, é tão curta...
Resta-nos a doce recordação da bonomia e amizade do Jota e os fabulosos momentos que todos nós partilhámos. Ele ajudou-nos, de certo modo, a (re)viver... essa lhe devemos.
Um beijo para ti, mANA

11:33 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home