segunda-feira, novembro 12, 2007

Do Raio de Sol




Raio de Sol na ombreira da porta,

na trave da cadeira, vindo da gelosia,

peço-te para amanhã voltares

mais arqueado pela esfericidade da terra,

um raio não decididamente recto

cravado no meu tórax côncavo,

mas no meu coração curvo como um globo.



Fiama Hasse Pais Brandão

(in As Fábulas)

.

10 Comments:

Blogger Maria said...

Bom trazeres aqui a Fiama, tão pouco vista....
A fotografia é fantástica.

Beijinho

6:48 da tarde  
Anonymous Sophiamar said...

Gosto muito da poesia da Fiama ainda que pouco divulgada. E é lamentável!Fico satisfeita que o tenhas feito.
Beijinhos com muita amizade.
Não consegui comentar através do meu blog.
Tem uma boa noite!

9:54 da tarde  
Blogger Guilherme F. said...

Regresso, para degustar as palavras.Agradeço as tuas.
Bj
Gui
Ps.o problema no Perfil Blospot está resolvido!

10:52 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

E vale sempre a pena passar pela encosta. Avisto o mar com a poesia que me delicia.
Obrigada, doce amiga.
Beijinhos

8:14 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

harmonia e densidade nessa bela conjugação da palavra escrita com a imagem. poesia forte, rica e maravilhosa. não conhecia Fiama, passo a admirá-la. obrigado, Ana. Beijos.

12:25 da manhã  
Blogger hfm said...

Que beleza este "coração curvo como um globo".

9:54 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
sigo o sol,
no curvo volteio,
em cavado ocaso
,
bji
*

3:40 da tarde  
Blogger Amaral said...

Pouco vista, pouco lida.. mas poesia segura, na sua originalidade...

11:36 da manhã  
Blogger PostScriptum said...

Bem a imagem está fantástica. Por outro lado acrescentas-lhe mais-valia com poesia quase desconhecida. (Não o é toda a poesia, salvo os "eleitos" do costume?)
Beijos

5:51 da tarde  
Anonymous maria m. said...

gosto do poema, original este apelo ao sol (e a imagem... bela e muito bem escolhida)

9:47 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home