sábado, novembro 08, 2008

Motivo

Foto de Cile Bailey aqui


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.


Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.


Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.


Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno, a asa ritmada.
e um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.




Cecília Meireles

.

16 Comments:

Blogger Maria said...

Magnífico poema de Cecília Meireles para início de fim-de-semana..
Obrigada, Ana.

Beijinho

12:55 da manhã  
Blogger hfm said...

Poema que sempre me tem acompanhado e que não perdeu nada aos longo dos anos, como o melhor vinho!

11:20 da manhã  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Respirando um tempinho mais livre, a propósito de te visitar e deixar um beijo
Daniel

9:48 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
um dos meus prefridos
com a minha flor violeta,
,
No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.
E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,
entre o planeta
e o sem-fim,
a asa de uma borboleta
,
canteiros de brumas
envio-te
,
*

10:36 da tarde  
Blogger AugustoMaio said...

A Cecília Meireles - acho eu - fica especialmente bem com a formosa fotografia escolhida. devia gostar. Pelo menos eu, muito.

11:36 da tarde  
Blogger Maripa said...

"Motivo" para reler as palavras sempre tão expressivas duma poeta que amo.

Bem hajas, Ana, por o partilhares.

Beijinho.

11:42 da tarde  
Anonymous Anne Maria said...

eu amo esse poema de Cecília :)

3:43 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

Cecília Meireles está entre as grandes da poesia.Lê-la é um prazer.
Este é um dos seus poemas mais bonitos. Mas tem tantos!

Beijinhos mil

Bem-hajas, amiga!

11:23 da manhã  
Blogger A.S. said...

Uma canção, mesmo emudecida, sente-se na alma!...

Lindo poema da Cecília!

Um beijo para ti Ana...

2:54 da tarde  
Blogger em azul said...

Se a mim a alegria entoa cânticos
a tristeza quase tem trabalho igual
canto alegre me puxa a alegria
e o triste livra-me do mal.

Recuso-me a ser a triste sina
de trautear lágrimas em choro
encho a minha voz e solto um grito
se pressinto a dor que a vida me destina.

Um beijo, Ana
Obrigada
em azul

8:07 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

voo

nas

asas

da

pa lavra


[sem
aparente
motivo]:)

11:59 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

Cecília sempre me acompanha, sempre está presente, sempre é motivo. obrigado, Ana, fico imensamente feliz pelo poema.(não desapareci, apenas estou completamente absorvido pelo trabalho, mas acredito que semana que vem estarei postando de novo. sinto muita falta de visitar os amigos e em especial sinto muita a falta da Encosta.) Beijo, e feliz início de semana.

12:18 da tarde  
Blogger FERNANDA & POEMAS said...

Olá querida Ana, belíssimo poema, desta Grande Poetisa, Cecília Meireles... È sempre bom lê-la... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

9:22 da tarde  
Blogger Adriana said...

Adoror Cecília Meirelles,me lembra a epoca de escola!

12:02 da tarde  
Blogger De Amor e de Terra said...

Minha querida Ana, AMO Cecília Meireles, que juntamente com alguns e algumas mais, preenchem o meu "santuário" poético, os que me ensinam poesia e a quem venero.
OBRIGADA pela partilha.
Beijos da

Maria Mamede

11:04 da manhã  
Blogger * hemisfério norte said...

gostei imenso deste blog
-
parabéns
-
bj
ana
:)

8:55 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home