quarta-feira, setembro 16, 2009

Eu ontem vi-te ...

Foto de Jem aqui


Eu ontem vi-te ...
Andava a luz
Do teu olhar,
Que me seduz,
A divagar
Em torno de mim.
E então pedi-te,
Não que me olhasses,
Mas que afastasses,
Um poucochinho,
Do meu caminho,
Um tal fulgor,
De medo, amor,
Que me cegasse,
Me deslumbrasse
Fulgor assim.




Ângelo de Lima

.

18 Comments:

Blogger Carlos Machado Acabado said...

Belíssima imagem, Ana!
Parabéns pela escolha.
[A resposta à tua amável observação no "Quisto" está a ser preparada...]
Volta sempre que queiras.
Beijinho.

Carlos

1:27 da tarde  
Blogger Carlos Machado Acabado said...

Estive a reler o texto.
É interessante porque há nele uma curiosa sugestão de João de Deus e, ao mesmo tempo, uma sugestiva leveza muito agilmente... 'impressionista' que parece remeter, por sua vez, para uma certa M.P.B.---tudo referências que o texto parece recolher com uma "despreocupação textual" muito cordial, despretensiosa e 'simpática' que, de facto, cativa.
Nãso será um texto "alimentício" (não será poesia... "para comer", diria a Natália Correia) mas "toma-se" com prazer num fim de tarde "poeticamente de Verão"...

1:13 da manhã  
Blogger Vieira Calado said...

Um poema de excelente ritmo.

E bem esbelto, de tão leve!

*

Em relação ao meu livro:

muito obrigado pelo seu interesse;
Assim que souber, dou outros pormenores.

Beijoca

1:33 da manhã  
Blogger oskar said...

Belo poema ,gosto de poesia,amante imenso!
es priveligiada ,vives perto do paraiso!

1:41 da manhã  
Blogger Isamar said...

Uma bonita imagem para um poema cheio de musicalidade que nos leva a reler, a reler...

Beijinhos

Bem-hajas!

6:16 da tarde  
Blogger Baby said...

A poesia é algo que me emociona sempre.Há uma harmonia, um encantamento no jogo de palavras que me seduz sobremaneira, e no teu espaço há sempre magia.

Beijinhos.

10:40 da tarde  
Blogger Carlos Machado Acabado said...

O "Quisto" insere, nas duas primeiras páginas, alguns poemas e textos poéticos novos em traduções expressamente elaboradas para o efeito relativamente aos quais gostaria de conhecer a tua opinião.
Quando puderes, deixa lá uma reflexão, um ponto de vista, uma sugestão, valeu?
Todas essas coisas serão, como sempre (obviamente) bem-vindas...
Beijinho!

1:53 da manhã  
Blogger ~pi said...

só a distância

permite olhar,




beijo




~

3:18 da tarde  
Blogger DE-PROPOSITO said...

Eu ontem vi-te ...
------------
Um ver 'em sonhos'.
Fica bem.
E a felicidade por aí.
Manuel

6:09 da tarde  
Blogger AnaMar (pseudónimo) said...

quem me dera que ele ontem me tivesse visto:-)
Bela escolha de poema e de imagem magnífica.
Bjs

9:41 da tarde  
Blogger Maripa said...

Poema com tanta sensibilidade e beleza que enternece quem o lê.

Bem-hajas pela partilha.

Beijinho,Ana querida.

11:19 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Vim ver se havia algo de novo...

Bjs

1:08 da manhã  
Blogger . Paulo . Intemporal . said...

. sempre o fulgor que destece os dias onde se avistam os amores do peito .

. sempre . presente .

. deixo um beijo, sentido .

12:18 da tarde  
Blogger Chris said...

Sente-se música nas palavras, ritmos suscitados.
bj
Chris

10:13 da tarde  
Blogger PAS[Ç]SOS said...

Por vezes assombra-me esta inquietude de me sentir iluminado pela luz que me falta, e com ela o medo de encandeamento, no deslumbre dessa cegueira que é amar.

10:19 da manhã  
Blogger maria m. said...

a sedução do olhar.

e a bela musicalidade do poema.

bjos.

12:31 da tarde  
Blogger lupussignatus said...

o ritmo

da

luz


[nas mãos
candentes]

5:05 da tarde  
Blogger Spiritual said...

Não conseguimos vislumbrar com clareza aquilo que está demasiado perto... um certo distanciamento é garantia de uma perspectiva mais adequada... :)

8:34 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home