quarta-feira, janeiro 06, 2010

Onda que, enrolada, tornas

Foto de Verónica Azevedo aqui



Onda que, enrolada, tornas,
Pequena, ao mar que te trouxe,
E ao recuar te transtornas
Como se o mar nada fosse,

Porque é que levas contigo
Só a tua cessação,
E, ao voltar ao mar antigo,
Não levas meu coração?

Há tanto tempo que o tenho
Que me pesa de o sentir.
Leva-o no som sem tamanho
Com que te oiço fugir!


Fernando Pessoa
(in Liberdade e outros Poemas Ortónimos
Ática. 2009)

.

Poema que o Natal me trouxe.

.

17 Comments:

Blogger maria manuel said...

e que belo poema, brev mas profundo, como é a poesia de Pessoa!

um beijo, Ana, e um bom 2010 para ti.

3:51 da tarde  
Blogger Carlos Machado Acabado said...

Carlos Machado Acabado disse...
Ana: o poema já está na "Encosta".
Tenho muito gosto em que o reproduza nesse seu interessantríssimo espaço [de que sou, muito gostosamente, aliás, "visita habitual] porque também eu admiro, como é fácil, de resto, perceber pelo texto que enquadra a sua apresentação asquii no "Quisto", o Luiz Góis, nomeadamente esta maravilhosa canção bque [com o meu "ouvido de latta" e a minha voz... "de latão"... tento] todos os diasv descantar, com o sucesso que aquelas premissas deixam adivinhar....
Não tem, no entanto, de fazer qualquer referência ao "Quisto": a canção é do Luiz Góis e eu não tenho o mínimo direito de colher quaisquer louros por ela, Amiga!
Um óptimo 2010 para si também!
Volte sempre e... intervenha mais activamente, ouviu?...
Fico à espera!

6:06 da tarde  
Blogger Maria said...

A onda torna sempre e essa fotografia é belíssima!
Como gostaria que o natal me tivesse trazido mais mar...

Um excelente 2010 para ti, Ana.

Beijinho

6:15 da tarde  
Blogger Maripa said...

Uma linda foto a emoldurar um poema belo e sentido.

Tenho saudades do mar...hoje queria ser onda ou praia ou...

Beijo,Ana, e o meu carinho. E tudo de bom em 2010.

12:19 da manhã  
Blogger batista said...

(a onda
por maior que seja
frente ao mar
será sempre pequena.

a onda é pequena.
o mar é grande.
... mas nasceu
tão somente
d’uma lágrima pequenina
vertida d’um coração
que carregava uma dor sem tamanho
... ou d'uma alegria incontida.)

deixo um abraço fraterno.

1:44 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
ressoando
o mar entoa,
a voz do Fernando
de apelido, Pessoa .
,
conchinhas pessoanas,
ficam,
,
*

12:32 da tarde  
Blogger A.S. said...

Querida Ana

Pessoa tem quadras fabulosas!!! Era um verdadeiro Génio em todas as vertentes poéticas!

Tu, consegues reunir neste teu "Templo de Poesia" a que chamas Encosta do Mar, um verdadeiro deslumbramento poético para quem ama a poesia!

Gosto tanto de ti!

Beijos
AL

9:44 da manhã  
Blogger ~pi said...

deslumbração, mais uma,

[ que bem te trouxe o natal!! :)




beijo




~

1:09 da tarde  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Enfim, o F. P. às vezes também fazia coisas normais...

12:31 da tarde  
Blogger . intemporal . said...

.

"Quem sou eu para mim? Só uma sensação minha" .

. [Livro do Desassossego] .

.

. e todas as que este homem imortal nos promove na passagem dos dias .

. mesmo os que alvorecem prontos a entardecer .

. um bom fim de semana, .

. sereno,,, .




. paulo .

.

4:04 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Feixar o coração desfraldar velas e partir pelo mar, rumo ao horizonte...
Um beijo
Daniel

4:07 da tarde  
Blogger tulipa said...

OLÁ AMIGA

Acabo de vir do blog da Heloísa.
Fui agradecer-lhe as visitas ao meu blog...e dizer-lhe que o mundo é mesmo pequeno, pois foi bom saber que já nos tinhamos cruzado na blogosfera, sem eu saber...como ela diz:
CARA *TULIPA* (FLOR DE QUE MUITO GOSTO) eu ja' tinha lido, MUITO TEMPO ATRAS, a descricao_FOTOS_ de uma Sua viagem a RUSSIA (Li-a como *KALINKA*!).

Eu respondi-lhe: É verdade, esse foi o meu 1º blog que ainda conservo, mas já não escrevo lá.

Também gostei de ler a ideia da Heloísa:
E... bem podia escrever um BELO LIVRO com as SUAS VIAGENS POR ESTE PLANETA AZUL!!

Vê tu bem...a opinião dela vai no sentido que eu sempre sonhei...

Beijinhos meus.

6:08 da tarde  
Blogger Isamar said...

Uma escolha fantástica como são sempre as tuas escolhas. Bem-hajas, mais uma vez, por me treres trazido o mar pelas mãos de um Poeta maior.

Beijinhos

9:45 da tarde  
Blogger Baby said...

Linda foto, emoldurando um belo poema de Pessoa.
Obrigada pela partilha.

Feliz Ano Novo.

Um beijo.

7:23 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Fernando Pessoa é sempre uma boa escolha!

Obrigado!

Bom Ano para si.

12:54 da manhã  
Blogger Carlos Machado Acabado said...

Ana:
Com um beijinho de cordiais saudações, deixo aqui a reprodução e uma 'entrada' do "Quisto" que talvez não tenhas visto e que se reporta à "questão" da autoria do poema da "Cantiga para Quem Sonha", por mim erradamente atribuída ao Luís Góis.

"Luiz Góis e uma [imprescindível!] Correcção"

Contactou-me a Amiga Ana, titular da notabilíssima "Encosta do Mar", um dos blogues irmãos do "Quisto" [que é já há uns tempos "visita regular" dessa belíssima "casa de poemas e imagens" que é a "Encosta..."] chamando-me a atenção para o que é indiscutivelmente um imperdoável lapso cometido numa 'entrada' anterior do "Quisto" onde se afirma [mea culpa! Mea culpa!] que Luiz Góis---que tão sublimemente a canta, aliás!---é também, o autor do poema dessa extraordinária "Cantiga para Quem Sonha" cujo texto se reproduz numa homenagem aqui feita a Luiz Góis e António dos Santos.

Ora, sucede, diz-me a Ana, que não é; e não é que não é mesmo!


Não é, de facto: os autores desse extraordinário "instante de pura e arrebatadora beleza" que é a "Cantiga..." são, na realidade, Leonel Carlos Duarte Neves [poema] e João Figueiredo Gomes [música].


Luiz Góis [que também é, de resto, um assinalável Poeta com obra publicada] neste caso "apenas" canta.


O modo como, no entanto, o faz---extraindo do belíssimo texto [e da empolgante melodia que o 'envolve'] toda a gama de potencialidades em matéria de celebração triunfal da própria Vida e da Solidariedade entre os Homens que ela contém---ajuda a compreender o facto de a sua voz poderosíssima ter acabado por se identificar de tal modo com a canção que torna "fácil" o equívoco [e, sobretudo a injustiça!] de quase esquecer os seus verdadeiros autores.


Não fosse a Ana [que me disse, aliás, ir republicá-lo numa "Encosta do Mar" para a qual o "Quisto" se atreve, desde já, a convidar todos quantos sonham encontrar "um lugar acolhedor e tranquilo para ler Poesia"]; não fosse, dizia, a Ana e o seu escrúpulo em matéria de rigor informativo e, desta vez, até o "Quisto" teria cometido o feio pecado de constituir [involuntariamente, embora, como é evidente] obstáculo a que "o seu" fosse muito justamente dado "ao seu [mais do que legítimo] dono", para mais envolvendo um 'objecto estético' verdadeiramente único como é indiscutivelmente esta belíssima "Cantiga"...


Era só o que faltava!...


Depois de um ataque de "azia" que até "meteu" Sade e Luiz Pacheco, uma injustiça destas---e logo cometida com aquela que é definitivamente uma das "canções da vida" do respectivo hospedeiro!...


Ai, "Quisto", "Quisto" não te trates, não e vais ver!...


Com a sorte com que anda o respectivo titular ainda vem de lá um Sócrates qualquer e, apanhando-o desprevenido, o faz para aí ministro da Educação ou da Cultura antes que ele possa esboçar sequer um gesto de defesa!...



"Ele" há dias!...
Publicada por Carlos Machado Acabado em 01:44 0 comentários

11:49 da manhã  
Blogger gessica luana said...

conclusão desse poema pois e para um trabalho

1:39 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home