sexta-feira, março 09, 2012

A carta da paixão

Foto de Diego Baroni


Esta mão que escreve a ardente melancolia
da idade
é a mesma que se move entre as nascentes da cabeça,
que à imagem do mundo aberta de têmpora
a têmpora
ateia a sumptuosidade do coração. A demência lavra
a sua queimadura desde os recessos negros
onde
se formam
as estações até ao cimo,
nas sedas que se escoam com a largura
fluvial
da luz e a espuma, ou da noite e as nebulosas
e o silêncio todo branco.
...
É de ouro a paisagem que nasce : eu torço-a
entre os braços. E há roupas vivas, o imóvel
relâmpago das frutas. O incêndio atrás das noites corta
pelo meio
o abraço da nossa morte. Os fulcros das caras
um pouco loucas
engolfadas, entre as mãos sumptuosas.
A doçura mata.
A luz salta às golfadas.
A terra é alta.
Tu és o nó de sangue que me sufoca.
Dormes na minha insónia como o aroma entre os tendões
da madeira fria. És uma faca cravada na minha
vida secreta. E como estrelas
duplas,
consanguíneas, luzimos de um para o outro
nas trevas.

Herberto Helder
(in Antologia Pessoal da Poesia Portuguesa, por Eugénio de Andrade)


...

Regressando, agradeço a quem esperou por mim !

.

5 Comments:

Blogger Maria said...

Às vezes as pausas são necessárias.
Voltas em grande, com Herberto Helder.

Beijinho, Ana.

1:11 da tarde  
Blogger Baby said...

De braços abertos, esperávamos o teu regresso, que foi em grande estilo.

Inconfundível e maravilhoso Herberto Helder!

Um abraço.

2:20 da tarde  
Blogger hfm said...

Bom regresso! fico contente.
E bela escolha.

5:22 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Sejas bem-vinda!
Já tinha saudades do teu "toque".
Beijo
Daniel

12:27 da manhã  
Blogger JotaCêEsse said...

Que bom, este regresso...

9:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home