sábado, março 25, 2006

O rio apenas de leve


Foto de Brian aqui


O rio apenas de leve
se mexia e virava:
menino dormindo,
suspirava de calor.

- Que sabes (disse Eva) da corrente
do teu sangue?
escuta em mim:
sentirás este fundo rumor do mar,
ondas que tocam na terra,
regressam e voltam
para teu corpo.


António Osório

11 Comments:

Blogger AS said...

Detenho-me nos insondáveis segredos das suas margens, que tornam este rio prisioneiro dos seus limites, num abraço interminável, sem que possa saber-se se é o rio que deseja ser abraçado, se as margens que o querem abraçar. Talvez haja uma vontade cúmplice que os torna prisioneiros um do outro… e assim, permanecem numa volúpia constante entre carícias e murmúrios, num desejo constante de se tocarem, machucando-se, num beijo quase enlouquecido. Amam-se. Intensamente, sem palavras, sem limites, sem que tenham de se atormentar sequer com um beijo de despedida. Ali estarão sempre, sempre, amando-se, naquele abraço interminável… até à eternidade!


Um beijo Ana e bom fim de semana

1:16 da tarde  
Blogger lique said...

Os rios são a ponte entre a terra e o mar. Quietos encondem mistérios. Belo poema!
Beijinhos, Ana

5:41 da tarde  
Blogger Lmatta said...

esta lindo o teu conjunto,
o poema sobre o rio sempre um pouco de mistério
beijocas

3:52 da tarde  
Blogger heloisa said...

"Que sabes (disse Eva) da corrente
do teu sangue?
escuta em mim:
sentirás este fundo rumor do mar,
ondas que tocam na terra,
regressam e voltam
para teu corpo."
***********************
ABRACO*!
E...ABRACO***!!!
********************OBRIGADA PELA MSG. EM MEU BLOG!

Heloisa.
PS: meu TM, esta' outra vez com "fitinhas"! este e' novo, mas acho que vou regressar ao Velho!
..............................

8:29 da tarde  
Blogger Su said...

bela foto, belo o poem apor ti escolhido

jocas maradas

10:08 da tarde  
Blogger Wakewinha said...

Pelo menos as ondas voltam! =)
Beijinho*

[Lê e divulga!]

1:34 da tarde  
Blogger hfm said...

Foto e poema belíssimos!

2:05 da tarde  
Blogger Orfeu said...

Gostei muito do Poema e da Imagem...mas sinceramente o que gostei mais foi do titulo "O Rio apenas de leve" é magico.
Um beijo

7:56 da tarde  
Blogger Amaral said...

Apenas de leve, um Osório discreto mas sensível, onde os versos saem e entram como "ondas que tocam na terra"…

12:11 da manhã  
Anonymous o encoberto said...

excelente!

11:37 da manhã  
Blogger Kalinka said...

OLÁ AMIGA
Cá estou, só hoje aqui vim, e gostei do que vi:
O rio apenas de leve
se mexia e virava:
ondas que tocam na terra,
regressam e voltam
para teu corpo.

Neste momento, bem preciso que ondas positivas entrem e voltem para o meu corpo e minha alma.
Beijokas.

9:37 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home