quarta-feira, dezembro 12, 2007

Dedicatória

Foto de João Pedro aqui



Quando me tiveres apagado, morto ou só feito
da matéria da memória, dança uma dança por nada
e debruça em arco o teu corpo, sobre o poço da morte
sobre o corpo dividido e espalhado pela última praia.


Manuel Gusmão
.

11 Comments:

Blogger un dress said...

pedaços.

de mim.

só.

11:42 da tarde  
Blogger Sophiamar said...

Mar, praia, dança, perda, partida...tão pequeno o poema tão profunda a sensação que em mim provocou.
Amiga da encosta, das palavras doces, da poesia, adoro a tua presença. Aqui, lá, seja onde for...mas quero-te, preciso-te presente.

Beijinhosssssssss

12:25 da manhã  
Blogger maria m. said...

este poema tocou-me.
algo triste, mas belo.

o final, um retorno à praia, remeteu-me para a poesia de Sophia.

10:52 da manhã  
Blogger Maria said...

Tão intenso, o Manuel Gusmão.....
Obrigada......

Beijos

3:54 da manhã  
Blogger Brancamar said...

Um pouco triste mas profundo, belo!
Ana já respondi ao teu último desafio.Não ficou tão bonito como queria, mas o tempo anda muito escasso, com a convalescença da mãe e o Natal a aproximar-se.
Desculpa a demora.
Beijinho

10:09 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
mar
mar e mar,
*
xi
*

1:25 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Daí donde sopra o vento
O mar tem uma lira
Um sol para despedir a tarde
E um sol para despedir o dia

2:11 da tarde  
Blogger Brancamar said...

Amiga Ana,
Se quiseres voltar ao meu cantinho, aperfeiçoei com mais um bocadinho de tempo a resposta ao teu desafio, criei uma hiperligação para ti e introduzi mais elementos sobre o autor do segundo livro que referi.
Para uma querida como tu e para todos os nossos amigos que me visitam, não me podia contentar com tão pouco.
Beijinho
Feliz Natal!


´´´´´´´´´´´¶
´´´´´´´´´´¶¶
´´´´´´´´´¶¶¶
¶¶¶´´´´´¶¶´¶
´¶¶¶¶¶¶¶¶´´¶
´´´¶¶´´´´´´¶¶¶¶¶¶¶¶¶
´´´´´¶¶´Fô¶¶¶¶
´´´´¶¶´´´´´¶¶¶
´´´¶¶´¶¶¶¶´´¶
´´¶¶¶¶¶´´¶¶´¶´
´¶¶´´´´´´´´¶¶¶´

5:21 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

O mar é vida, em suas profundezas a vida se renova. poema triste e belo. beijos, Ana.

6:13 da tarde  
Blogger Rui Caetano said...

Um poema sentido e profundo de olhares distantes. O mar é um mistério que nos acalenta a alma. Gostei imenso do poema e da imagem.

9:32 da manhã  
Blogger delusions said...

um poema muito belo...
com uma fotografia muito bonita a combinar...



Boa semana*
Bjs

8:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home