segunda-feira, julho 28, 2008

búzio

Foto de Gaylen Morgan



sei que nunca viste o oceano,
que nunca olhaste a onda sobre a onda,
que nunca fizeste castelos para o mar ser forte,

mas sei que já viste o coração das coisas,
que já tocaste a ferida nos nossos braços,
que já escreveste para sempre o nome da terra.

por isso te digo que vou levar-te o mar
na concha das minhas mãos, azulíssimo,
para que nele descubras o meu nome
entre os seixos os búzios os rostos que já tive.



Vasco Gato
(in Um Mover de Mão)



.

17 Comments:

Blogger Maria said...

Belo, muito belo, Ana.
Não conhecia este autor.

Obrigada.
Um beijinho

10:17 da tarde  
Blogger O'Sanji said...

Esse é um belo livro, Ana.
Beijo

12:43 da manhã  
Blogger Dois Rios said...

Adoro essa poesia e adoro esse poeta. Os poemas dele são simplesmente fascinantes.

Belíssima escolha, Ana!

Beijo,

3:05 da manhã  
Blogger Adriana Costa said...

Nossa, Ana
um dos mais lindos poemas que já li aqui!

Beijos e obrigada pelo prazer da leitura!

@>--

1:47 da tarde  
Blogger Marinha de Allegue said...

O atrainte poder do MAR...

Beijos salgados.
;)

4:20 da tarde  
Blogger Fernando Rozano said...

o mar, sempre o mar e seus universos; a terra e suas possibilidades, e a vida em cada palavra. poesia que me deixa sem palavras mais a escrever, Ana. um beijo e toda a minha admiração.

9:28 da tarde  
Blogger Porcelain Doll said...

Que prenda mais maravilhosa essa, o mar... quem já viu o coração das coisas concerteza merece...

:-)

9:55 da tarde  
Blogger delusions said...

não conhecia este autor. ontem li-o pela primeira vez e gostei. e hoje reecontro-o aqui, com outras palavras. obrigada. gostei muito...


Bjinho*
Sofia

10:34 da tarde  
Blogger maria m. said...

e espero que o mar chegue na concha das suas mãos...
que poema lindíssimo, Ana!

9:47 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
Há espreita está um grande amor mas guarda segredo
Vazio tens o teu coração na ponta do medo
Vê como os búzios caíram virados p’ra norte
Pois eu vou mexer no destino, vou mudar-te a sorte!
,
in-fado ana moura
,
buzios sonantes
envio-te
,
*

10:56 da manhã  
Blogger Sophiamar said...

Ainda sem ler, o título trouxe-me à memória o retrato do Búzio de Sophia de Mello Breyner. Depois, comecei a ler mas olhei a imagem e parei. Este azul marinho é paixão avassaladora. A minha alma vive lá. Continuei a ler e gostei tanto que vou pesquisar a obra de Vasco Gato.

Ah, e "vou levar o mar na concha das minhas mãos..."

Mil beijinhos, amiga!

Gosto tanto de ti!

7:13 da tarde  
Blogger RESSACA said...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

8:40 da tarde  
Blogger Odilon said...

Ana,
que o mar, levado nas conchas das mãos, revele o segredo de búzios, às gentes que sabem ver o coração das coisas.

11:14 da tarde  
Blogger tulipa said...

OLÁ AMIGA

Mais um belo poema.
OBRIGADO pela partilha.

Ando tensa
grito
fujo de mim
de todos;
ignoro o mundo
fecho os olhos
tento dormir
esquecer...

Convido-te para umas férias na Isla Canela, queres vir?

Beijinhos

3:55 da manhã  
Blogger hfm said...

Que melodia de imagens!

9:08 da manhã  
Blogger Xinha said...

Lindissimo poema...
Suave e romantico... Lindo !


Xi-coração

1:25 da tarde  
Blogger Ana said...

Obrigada por todos os comentários que me deixaram.
Vasco Gato é um jovem poeta, cuja obra merece ser lida e divulgada.

1:33 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home