segunda-feira, janeiro 25, 2010

Gaivota

...

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
morreria no meu peito,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde perfeito
bateu o meu coração.


Alexandre O'Neill

.

10 Comments:

Blogger Maria said...

Este poema do O'Neill é lindíssimo...

Boa semana, Ana.
Um beijo

12:44 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
como sempre
a sintonia no verbo
de Alexandre O'Neill !
,
brisas serenas,
ficam,
,
*

2:43 da tarde  
Blogger Manuel said...

meu amor na tua mão,
---------
As mãos que amam, mas também sabem ferir.
-----
Felicidades.
Manuel

7:08 da tarde  
Blogger Mare Liberum said...

Um dos mais bonitos poemas da poesia portuguesa.
O amor sempre foi um dos temas preferidos dos poetas. E afinal o que seria de nós sem o amor?

Bem-hajas!

Beijinhos

8:19 da tarde  
Blogger Carlos Machado Acabado said...

Nem de propósito, Ana!
No "Facebook", uma amiga sul-americana enviou-me um poema que gostaria muito de partilhar contigo.
Aqui vai ele, com um beijinho!


"Dios me bendice, pues que me regala
una tierra gentil que nadie iguala
ni halle mejor en la extension remota"

Haiti, la llaman, es una gaviota,
es dulce, alegre, tibia, como un ala
inadvertida se vistio de gala
ante el caribe que su faz azota.

De malignas serpientes y alimañas
despejaron sus dioses las montañas

poblo la selva ibolele de trinos

Hoy como ayer deslumbra al navegante,
la que esperando al parecer amante,
extiende al mar dos brazos diamantinos.


Esther Maria Osses
Poesia en Limpio


NO ES EL INFIERNO, ES UNA GAVIOTA... ESTA HERIDA....Y SOLO LA CURAN LOS LATINOAMERICANOS!!!!!!!!!!

CONTINUEMOS AYUDANDO AL PUEBLO HAITIANO!!!!!!!!!!!!!!

10:20 da manhã  
Blogger ~pi said...

é verdade que há pássaros imortais!

[ é verdade!




beijo





~

12:25 da manhã  
Blogger ADiniz said...

Ah! que coração de asas já não pousou em outras mãos
qual mãos já não deram abrigo a um coração de asas
e em perfeito vôo bateu forte o amor
e profundo o olhar se entrelaçou.
Não importam quantas as xs
Sempre tão vivas
Que se misturam ao tempo dos céus

Belíssimo post, digno a lua crescente,
então que tua semana azul para su ave
bjinhos.

9:54 da manhã  
Blogger A.S. said...

Querida Ana,

Tal como as gaivotas, livres e graciosas... assim és tu!
Revejo-me na liberdade e na graciosidade dos teus voos!


Beijos...
AL

10:05 da manhã  
Blogger batista said...

belíssimo!
como é bom visitar teu espaço.

deixo um abraço fraterno

2:39 da tarde  
Blogger APC said...

Limpa a alma, este teu cantinho, querida amiga. adoraria ter-te no lançamento..beijos

8:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home