quinta-feira, junho 30, 2005

Reflexos


Foto daqui



Olho-te pelo reflexo
Do vidro
E o coração da noite

E o meu desejo de ti
São lágrimas por dentro,
Tão doídas e fundas
Que se não fosse:

o tempo de viver;
e a gente em social desencontrado;
e se tivesse a força;
e a janela ao meu lado
fosse alta e oportuna,

invadia de amor o teu reflexo
e em estilhaços de vidro
mergulhava em ti.



Ana Luísa Amaral

3 Comments:

Anonymous Storm Of Emotions said...

"Nos estilhaços de vidro
cortei a pele
mesmo assim a dor não foi
tão forte quanto estar
longe de ti"

Belíssimo poema!
Bjokas!;)

3:15 da manhã  
Blogger AS said...

«invadia de amor o teu reflexo
e em estilhaços de vidro
mergulhava em ti.»

Lindissima esta imagem!... como todo o poema!

Um beijo

8:46 da manhã  
Blogger TMara said...

Tmb gosto da poesia de Ana Luisa Amaral. bela escolha bem complementada pela imagem. Bjs e ;)

8:48 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home