domingo, novembro 14, 2010

Amar a vida inteira

Foto de Jacob Jovelou



Amo-te. Basta-me um pássaro,
uma árvore
para me transportar ao jardim
de ti - um livro, uma palavra, o peso
do silêncio
para me levarem ao poço de ti,
aos teus olhos que ofuscam
o cristal da manhã; à tua boca
aproximando-se da minha pele
como se regressasse a casa.
Cantar-te é desfazer o nevoeiro da minha vida,
desfiar uma chama, ardendo lenta,
que não se via. E basta-me um vinho
ou a tua língua
ou a memória dela
para que em mim disparem águas
trémulas - ainda são - e por isso
quando te amo
sou um pouco essa montanha que tece com o vento
uma combustão muito lenta muito paciente
como se todo o fulgor da vida
se concentrasse nos vales e nos rios do teu corpo
inesgotável. Amo-te. Basta-me
um sorriso para que se abram
veias adormecidas - um gemido,
e entro em fontes como se delas
nunca tivesse saído. Águas distantes
que me inundam.



Casimiro de Brito



Poema do seu próximo livro " Amar a vida inteira" .
Obrigada, Poeta, por partilhar comigo.




11 Comments:

Blogger Maria said...

É um 'poemaço', Ana. Dos que arrepiam. Obrigada por o teres publicado.

Beijo.

5:56 da tarde  
Blogger hfm said...

Daqueles de cortar a respiração.

6:16 da tarde  
Blogger Cata- Vento said...

Casimiro de Brito é algarvio como eu e há muito que gosto de o ler. Transporta a poesia no sangue e lê-lo é um deslumbramento.

Beijinhos

Bem-hajas!

6:20 da tarde  
Blogger Só Eu (Ricardo) said...

Olá
Não conhecia o poeta. Li, reli e gostei.
Obrigado pela partilha.
Abraço
Ricardo

10:35 da tarde  
Blogger BRANCAMAR said...

Adorei este poema.

Obrigada por me dares a conhecer este poeta, um deslumbramento. Gostava de vir a ter esse próximo livro, quando sair avisa-me por favor.

Beijinhos
Branca

11:59 da manhã  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
o "poemar"
de Casimiro de Brito,
parabens,
,
Peço a paz
e o silêncio
A paz dos frutos
e a música
de suas sementes
abertas ao vento
Peço a paz
e meus pulsos traçam na chuva
um rosto e um pão . . .
,
conchinhas,
,
*

10:36 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
O extracto do poema,
np andar de cima, é de
Casimiro de Brito,obvio !
,
brisas serenas,
ficam,
,
*

10:39 da tarde  
Blogger Tod(as) palavras said...

poema vigoroso e belo, dos mais que li nas águas da palavra. beijo, Ana.

7:45 da tarde  
Blogger Camila said...

Linda poesia!
Inspiradora
Já tem admiradora brasileira!
=)

12:21 da manhã  
Blogger BRANCAMAR said...

Vim reler este belíssimo poema de amor e desejar-te bom fim de semana.
Beijos

1:34 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Lindooooooooo!
Bj, Jo

1:39 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home