sábado, dezembro 11, 2010

Sede

Foto de Luís Miguel Afonso (1000imagens)



Simples, tão simples como a água que outrora
bebeu,
junto à insólita fonte.
E se era doce, esqueceu.
Era outra água, com o tempo incalculável,
por dentro,
com uvas brutais,
muito perto dos lábios.
Não era amor o que diziam, atrás dos quintais.



José Agostinho Baptista
(in Filho Pródigo)

.

13 Comments:

Blogger Maria said...

Mas era água que bebiam
e que matava todas as sedes...

Beijo, Ana.

2:52 da tarde  
Blogger hfm said...

Ana, gosto mto deste poema como gosto da poesia dele. Obrigada.

5:32 da tarde  
Blogger poetaeusou . . . said...

*
sede transparente,
correndo no vinhedo
do quintal da fonte !
,
conchinhas,
,
*

2:37 da tarde  
Blogger O Profeta said...

...Quem sou
Nunca me encontrei na letra de uma canção
Nunca toquei duas notas seguidas em harmonia
Mas perdi-me às vezes na ilusão

Reencontrei-me com o amor
Amargura mora sempre com a razão
Um mágico nem sempre acerta
No seu golpe de mão

Mas fiz mil tentativas nesta viola
Nenhuma nota bateu-me certa
Sou um triste e patético tocador
Desta...Melodia Incompleta...

Doce beijo

9:17 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Não será para todos entenderem...

Mas o homem sabe o que diz...

Beijinhosss

4:22 da manhã  
Blogger tecas said...

Boa escolha, linda Ana. Era água...mas será que saciaram todas as sedes?
Muito lindo o poema...com diversas interpretações
Um bjito amigo

7:36 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

seria paixão?

2:07 da manhã  
Blogger Rolando said...

ola. tudo blz? estive por aqui. interessante. apareça por la. abraços.

6:16 da tarde  
Blogger A.S. said...

Querida Ana,

Há águas que não matam todas as sedes!...


Beijos!
AL

10:42 da tarde  
Blogger Nilson Barcelli said...

Fizeste mais uma excelente escolha.
Gostei.
Bom fim de semana.
Um beijo.

11:54 da tarde  
Blogger . intemporal . said...

.

. esculpo a sede como quem tece um desejo no momento de ensejo .

.

. e venho por ora desejar.TE um santo e feliz natal extensível a toda a família e a todos os amigos que te sejam essência ao peito .

.

. grat.íssimo ainda pela constância da tua presença no #intemporal# que tanto me gratifica .

.

. um beijo sempre amigo .

.

. paulo .

.

1:56 da manhã  
Blogger Baby said...

Simplesmente belo!
E "simples, tão simples como a água que outrora bebeu"...
Andei ausente, por falta de tempo, mas que saudades eu já tinha de mergulhar na beleza das palavras! Faz um bem tão grande:

Festas Felizes,com saúde, alegria, paz e Amor.

Beijinhos.

9:22 da tarde  
Blogger Tod(as) palavras said...

assim como a água, a poesia: fonte da vida. beijo, Ana.

5:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home